Confirmado na Ferrari para 2013, Massa admite que chegou a negociar com outras equipes

Felipe Massa foi questionado pelo Grande Prêmio se havia negociado com outras equipes, ao ser especulado fora da Ferrari em 2013. O piloto respondeu que sim, mas se negou a falar com que times havia conversado

O futuro de Felipe Massa na F1 passou por outras equipes. O brasileiro, que chegou a ser especulado fora da Ferrari por causa do mau início de temporada, foi questionado pelo Grande Prêmio nesta segunda-feira (12) se havia negociado com outras equipes, além da escuderia italiana. O piloto confirmou, mas não quis dizer com quais times havia falado.

“Quando você não tem certeza do que vai acontecer, cheguei a conversar, sem dúvida”, disse Massa. Ao ser questionado sobre quais equipes foram, ele se esquivou. “Não vou falar. Cheguei a conversar, mas eu queria continuar [na Ferrari] e acho que aconteceu o que eu quis, que era continuar na Ferrari”, revelou o brasileiro.

Massa revelou que abriu negociações com outras equipes durante o ano (Foto: Ferrari)

Após não ter conseguido um bom desempenho nas primeiras corridas do ano, Massa deu a volta por cima, tendo pontuado em nove dos últimos dez GPs, incluindo o pódio no GP do Japão. Satisfeita com os resultados, a Ferrari renovou o contrato do brasileiro também para a temporada de 2013.

Massa também comentou sua segunda metade do campeonato. Passando por dificuldades na primeira parte do ano, ele chegou a ter seu futuro questionado e foi alvo de inúmeras críticas da imprensa italiana ao longo de quase todo 2012. Com 70 pontos, contando apenas do GP da Bélgica em diante, ele marcou mais que o dobro dos 25 das primeiras corridas do calendário.

“Nós tivemos uma segunda parte do ano bem competitiva, aonde eu consegui não só ir bem na classificação, que é o que precisamos melhorar ainda. Tive várias corridas boas antes de agosto, com um ritmo muito forte e com uma possibilidade boa para marcar pontos, acontecia alguma coisa na corrida. Não conseguia ir bem e fazer tudo certo. Isso aconteceu em várias corridas, mas, depois de agosto, tudo ficou uma pouco melhor. Consegui largar e chegar na posição ideal. Consegui fazer um número de pontos bem maior. Valeu muito a segunda parte da temporada e agora eu quero mais, tentar ficar cada vez mais na frente e acho que não podemos tirar a vitória das nossas possibilidades”, disse.

“Tem uma corrida nova agora nos Estados Unidos [em Austin, no Texas]. Ninguém sabe como é a pista. Depois tem Brasil e é uma das pistas onde mais venci, onde mais larguei na frente e o que mais quero é continuar como estou acabar ainda melhor. E brigar pelo pódio e pela vitória”, completou.

O piloto voltou a abordar o GP dos Estados Unidos, que acontece neste final de semana e contou que o traçado é muito semelhante aos dos GPs disputados na Índia e na Coreia, onde Massa foi quarto e sexto, respectivamente.

“É uma pista nova e diferente. Olhando agora, é uma pista no estilo de Índia e Coreia, mas posso estar errado. Olhando pelo que vi no simulador e pelo que vi da pista, pelos setores, pelo tipo de curva que tem, acho que deve ser, mais ou menos, no caminho de Coreia e Índia. Achei bacana. Nós tivemos um carro razoavelmente competitivo nas duas pistas e vimos uma Red Bull muito forte. A McLaren pode ser competitiva e também existe a chance de outra equipe ser forte também”, apontou.

Massa deu uma coletiva na tarde de hoje para promover o Desafio das Estrelas, evento de kart que organiza anualmente, agora no mês de janeiro. O piloto confirmou a presença de Fernando Alonso, disse que Valentino Rossi está "quase certo" e está negociando a vinda de Kamui Kobayashi e Michael Schumacher. Rubens Barrichello é dúvida para o Desafio, que vai acontecer no kartódromo do Beto Carrero World.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube