Criador de Yas Marina, Tilke diz ter ideia para mexer em uma curva, mas avisa: “É uma mudança muito pequena”

Muito criticado pelo marasmo ao longo de toda a corrida do último domingo, o circuito de Yas Marina, em Abu Dhabi, pode contar com mudanças pontuais no futuro, diz o engenheiro criador da pista, Hermann Tilke. Contudo, o alemão entende que mudanças na pista não bastam para facilitar o aumento das ultrapassagens

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

O circuito de Yas Marina, em Abu Dhabi, foi concebido como uma verdadeira joia do ponto de vista de arquitetura e engenharia, cravado no meio de uma baía artificial para ser uma espécie de ‘Mônaco das Arábias’. Mas do ponto de vista esportivo, desde sua criação, em 2009, jamais a pista proporcionou grandes corridas na F1 por conta da enorme dificuldade em se ultrapassar.

 
A pista foi desenhada pelo renomado arquiteto alemão Hermann Tilke, responsável pela criação de outros tantos circuitos como o de Istambul, Sepang, Sakhir, Xangai, Valência, Austin e Buddh. Mas Abu Dhabi, sua mais famosa criação, é constantemente alvo de críticas, o que motivou Tilke a pensar em mudanças para melhorar a qualidade do espetáculo.
Hermann Tilke sinalizou com a chance de fazer uma "pequena mudança" em Abu Dhabi (Foto: Force India)
Mas que o fã da F1 não se anime: as mudanças, caso venham, não devem mexer na dinâmica das corridas por lá. “Temos uma ideia para mudar uma curva”, afirmou o alemão em entrevista à emissora britânica Sky Sports. 
 
O engenheiro, contudo, descartou mudar trechos entre as curvas 5 e 6. “É uma mudança bem pequena, a propósito. Mas talvez tenha muito impacto”.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Por outro lado, Tilke entende que só mudar trechos da pista não vai ser suficiente para Abu Dhabi proporcionar mais ultrapassagens.

 
“O carro mais rápido estava à frente do carro mais lento. Não dá para ultrapassar. Então, o que fazer? Se as coisas estão alinhadas assim, o que fazer? Talvez seja culpa do carro e culpa do circuito”, complementou.
“CHORAVA COMO UM BEBÊ”

FÉLIX DA COSTA REVELA TRISTEZA APÓS PERDER CHANCE NA F1

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height:
0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute;
top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube