Desempenho de Alonso mostra avanço da McLaren na temporada 2016. Meta agora é ser campeão com equipe

A temporada 2016 de Fernando Alonso defendendo as cores da McLaren foi muito diferente de seu ano anterior. Com um salto de desempenho, o espanhol conquistou cinco vezes mais pontos que em 2015 e terminou o ano dentro do top-10 da classificação. Agora, fica no time para fortalecer projeto da próxima temporada

 

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 1
,components : { mute: {delay :3}, skip: {delay :3} }
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);
O ano de 2016 foi de recuperação para a McLaren. Após fechar 2015 apenas em nono, a equipe terminou a temporada em sexto, e muito se pode creditar a Fernando Alonso. Com desempenho bastante superior se comparado ao da temporada passada, o espanhol foi grande responsável pelo salto do time inglês.

Com nove provas na zona de pontos, o bicampeão fechou na décima colocação, com 54 tentos na conta e cinco posições acima de sua temporada de 2015. Ainda, ficou cinco postos à frente de seu companheiro, Jenson Button.

O competidor do carro #14, então, foi responsável por mais da metade dos pontos conquistados pelo time inglês. Para ser mais exato, somou mais de 69% dos tentos totais do campeonato.

O salto de performance de Alonso entre um ano e outro pode se dar que enfim a parceria McLaren-Honda está colhendo os frutos. Caminhando na direção certa, o piloto já mostrou confiança e ânimo para 2017, dizendo estar focado na melhora e na conquista do título, sua principal meta.

Fernando Alonso (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Problemas, é claro, foram encontrados no meio do caminho. Até que, em duas etapas, na Bélgica e na Hungria, Fernando acumulou 50 posições de penalização em uma etapa e 45 em outra, por conta da troca de peças de seu motor e componentes do carro.

No entanto, em mais uma prova de que a McLaren está enfim entrando nos trilhos foi o resultado final das duas provas. Em ambas as ocasiões, mesmo largando da fila final do grid, o espanhol cruzou a linha de chegada na sétima colocação, somando nas duas disputas mais pontos do que conquistou em 2015 inteiro.

Agora para a próxima temporada, após um campeonato de boas conquistas e algumas frustrações, basta a Alonso fortalecer ainda mais o time de Woking.

Um início de ano difícil

A temporada de Alonso não começou como um sonho. A prova inaugural da temporada 2016 da F1 aconteceu em Melbourne. O espanhol, ainda nas primeiras voltas da disputa, acabou se envolvendo em um forte acidente com Esteban Gutiérrez.

Quando o titular do carro #14 tentou uma ultrapassagem em cima do mexicano, acabou vendo a porta ser fechada. O resultado, então, foi um forte toque entre os dois competidores, onde o titular da McLaren acabou levando a pior.

Fernando acabou indo direto para o muro de concreto, destruindo a lateral de seu carro. Agora sem controle, foi em direção a caixa de brita, onde o seu carro acabou parando, enfim, de ponta cabeça.

O que sobrou da McLaren de Alonso? Quase nada (Foto: Getty Images)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

O incidente, é claro, causou bandeira vermelha na corrida. No entanto, apesar da cena assustadora, o piloto logo saiu andando, ainda que mancando. O resultado do episódio foi algumas dores na coluna e no joelho. Ele ainda ficou de fora da etapa seguinte, no Bahrein, por conta de lesões nas costelas.

Quem o substituiu foi o jovem reserva Stoffel Vandoorne. Naquela prova, o estreante da F1 conquistou a décima colocação, colocando um ponto no bolso – na verdade, foi o primeiro ponto conquistado da McLaren no campeonato.

O melhor resultado da temporada

Mas Fernando Alonso foi do inferno ao céu em pouco tempo. Enquanto na primeira etapa amargava um abandono após um grave acidente, na sexta prova o espanhol conquistava o seu melhor resultado do ano, como o da McLaren.

O cenário era o GP de Mônaco, um dos mais tradicionais palcos da F1. Naquele domingo, o espanhol largaria da décima colocação do grid e enfrentaria uma prova com condições mistas no traçado.

Após mostrar excepcional desempenho na pista, chegando a segurar Nico Rosberg por grande parte da segunda parte da prova, o titular do carro #14 cruzou a linha de chegada na quinta colocação, resultado esse que ele não alcançava desde o GP da Hungria de 2015.

Fernando Alonso (Foto: McLaren)

O fato, é claro, foi comemorado dentro da McLaren. Para o competidor, a equipe ainda precisava fazer grandes avanços em termo de performance, mas o bom resultado mostrava que ao menos caminhavam na direção correta.

A animação, é claro, duraria pouco. Nas quatro etapas seguintes, Canadá, Europa, Áustria e Inglaterra, o bicampeão ficaria fora da zona de pontuação da F1. Ele voltaria a marcar apenas na Hungria, quando foi o sétimo colocado.

O Brasil e o palco do ‘Alonso humano’

Assim como em 2015, o GP do Brasil foi novamente palco de Alonso e a geração de ‘memes’. Agora a vez foi durante o segundo treino livre, quando a McLaren do piloto apresentou problemas e ele se viu obrigado a parar no canto da pista.

Então, já fora do #14, o espanhol estava entediado. Ele, então, fez o que qualquer outro competidor do grid faria: assumiu a transmissão oficial da F1. O bicampeão pegou a câmera por alguns segundos e muitos desfoques.

Ele ainda aproveitou que estava no canto do traçado sem muito o que fazer e pegou uma pedra para fazer embaixadinhas. Mais tarde naquele final de semana, em uma prova bastante molhada, o piloto terminou em décimo, somando mais um ponto na conta.

Fernando Alonso em Interlagos (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)

A pós-temporada

Após apenas cinco dias do final da temporada 2016 da F1, Nico Rosberg, que conquistou o título do campeonato, chacoalhou o mundo da categoria. O piloto anunciava sua aposentadoria imediata, já abrindo um vaga na Mercedes para 2017.

Entre tantos nomes especulados, é claro que o de Alonso apareceu entre os concorrentes. Com tamanha experiência e ainda considerado um dos melhores pilotos do grid, o bicampeão era um forte candidato a substituir o alemão.

Com o tempo, os rumores foram perdendo força e adversários melhores cotados, como Valtteri Bottas, resta ao austuriano permanecer no atual time para continuar fortalecendo o projeto para a temporada 2017.

O chefe da Honda já reconheceu que Alonso não está por todo satisfeito na posição que ocupa hoje, nem onde o time se encontra, mas o bicampeão já deixou claro: “acredito neste projeto, estou comprometido, e quero ser campeão mundial com a McLaren Honda, é a minha única meta”, declarou.

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube