Desolado, Alonso admite surpresa por quase pontuar, mas decreta: “Em termos de desempenho, somos os últimos”

Fernando Alonso viveu mais um dia daqueles com a McLaren. Mesmo guiando o fino – também na sua opinião -, o espanhol não escondeu a desolação por entender que tem nas mãos um dos piores carros do grid. O piloto abandonou o GP da Austrália

 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

E o calvário de Fernando Alonso com a McLaren ganhou mais um capítulo no GP da Austrália, neste domingo (26). O espanhol largou de 12º, depois de herdar uma posição com os problemas de Daniel Ricciardo, e se colocou em 11º na primeira curva, mas logo passou a décimo, devido ao abandono de Romain Grosjean. Durante grande parte da corrida, o bicampeão se manteve, então, na zona de pontos, segurando atrás de si o jovem francês Esteban Ocon. O desempenho se converteu em uma das melhores corridas de sua carreira, segundo o próprio. Mas a falha na suspensão já no fim da prova acabou com as esperanças de uma primeira etapa minimamente razoável para ele e a equipe inglesa.

 
Por isso, uma vez mais, o asturiano não escondeu a decepção e acha ainda que a McLaren ocupa a última posição em termos de performance. "Tivemos um problema de suspensão no fim. Eu estava fazendo uma das minhas melhores corridas até agora e estávamos surpresos de estar na zona de pontos", explicou o piloto de 35 anos à emissora Sky Sports F1.
 
"Tivemos de fazer uma grande economia de combustível, o que nos prejudicou muito, mas, ainda assim, mantivemos a posição. Foi uma surpresa, mas não fomos capazes de completar a prova e, por isso, precisamos achar uma maior competitividade. Estamos na última posição em termos de desempenho. Só surgimos em décimo por conta da boa volta de ontem e do início da corrida de hoje, quando consegui ganhar uma posição. Aí veio o abandono de Grosjean, que nos deu uma chance. Mas em condições normais, em circuitos normais, acho que estaremos em penúltimo e último em termos de performance", disse um desolado Alonso.
Fernando Alonso abandonou o GP da Austrália (Foto: McLaren)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 1
,components : { mute: {delay :3}, skip: {delay :3} }
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);
Stoffel Vandoorne, companheiro do espanhol na McLaren, completou a corrida australiana na 13ª colocação, duas voltas atrás do vencedor Sebastian Vettel, da Ferrari.

 
Então, Fernando seguiu falando sobre os problemas do MCL32. "Poucas vezes eu tive um carro tão pouco competitivo, sem nenhuma preparação e ainda tendo de economizar combustível de maneira brutal. Ainda assim, ficamos boa parte da corrida nos pontos", afirmou o veterano, acrescentando que as próximas provas serão ainda mais complicadas devido à falta de potência do motor Honda.
 
"Como eu disse, teremos poucos finais de semana como este em que largamos de 12º e ainda figuramos nos pontos. Acho que é algo basicamente impossível nas próximas etapas. Em pistas normais, a nossa posição será bem atrás, por isso temos de melhorar rapidamente", disse.
 
Por fim, questionado sobre os planos de um novo motor, Alonso respondeu: "Não sei. Essa é outra questão para a McLaren, que temos de encontrar algo rapidamente, porque, caso contrário, Stoffel e eu vamos continuar dando tudo, mas será difícil pontuar", encerrou o duas vezes campeão da F1.
 

A PRÉVIA DE ABERTURA DAS TEMPORADAS DE F1 E MOTOGP: TUDO AQUI 

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube