Diretor crê em novo salto de qualidade e diz que vai ficar decepcionado se McLaren terminar 2017 fora do top-3

Diretor de operações da McLaren, Jonathan Neale se mostrou otimista e disse que a equipe inglesa vai ficar bastante decepcionada se não fechar 2017 entre as três primeiras colocadas no Mundial de Construtores. A esquadra inglesa terminou o ano passado com a sexta melhor campanha da F1

 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

A McLaren segue bastante otimista para 2017, quando a F1 vai sofrer uma drástica mudança de regulamento. E de acordo com o chefe de operações Jonathan Neale, a equipe inglesa vai ficar bastante desapontada se não terminar o ano dentro do top-3 do Mundial. 

 
Desde o início da parceria com a Honda, em 2015, a esquadra de Woking vem sofrendo com a falta de desempenho e, por consequência, segue longe da briga por vitórias. Naquela temporada, o time inglês foi apenas o nono colocado, mas conseguiu dar um salto de qualidade no ano passado, ao fechar o campeonato na sexta posição. 
 
Fernando Alonso e Jenson Button protagonizaram performances mais consistentes e constantemente estiveram no Q3 da classificação, além da zona de pontos nas corridas. Agora, Neale acredita que a McLaren posso dar um novo, mas maior salto técnico e melhorar significativamente seu desempenho na temporada que começa no dia 26 de março, na Austrália.
 
"Você tem de mirar alto", afirmou o executivo em declaração à revista inglesa 'Autosport'. "Mas agora eu ficaria desapontado se terminarmos o ano com a quarta posição. Essa é provavelmente uma visão pragmatista, mas você não faz progresso sendo um pragmatista. Nós queremos vencer e queremos vencer o mais rápido possível", completou.
Stoffel Vandoorne, Eric Boullier, Zak Brown e Jonathan Neale – os caras da McLaren (Foto: McLaren)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 1
,components : { mute: {delay :3}, skip: {delay :3} }
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);
"Temos uma grande equipe, temos pilotos capazes de vencer, e entre chassi e motor, tanto nós quanto a Honda precisamos preencher essa lacuna no desempenho. A nova plataforma aerodinâmica e a grande incerteza sobre os pneus nos trazem uma oportunidade, e eu gostaria de pensar que podemos aproveitar isso, mas tudo ainda desconhecido", acrescentou o britânico.

 
Éric Boullier, o diretor de corridas da McLaren, também compartilha da 'pressa' para vencer do colega, mas procurou frear o entusiasmo. E disse que ainda vai levar certo tempo para que a equipe inglesa consiga se colocar em uma posição real para brigar pelo campeonato. 
 
"Na realidade, eu quero ser pragmático e não definir expectativas muito altas. Estávamos em nono em 2015, terminamos em sexto no ano passado, então espero que estejamos entre os quatro primeiros neste ano. Queremos vencer o mais cedo possível, mas estou lidando com a realidade", explicou o francês.
 
"Estou muito feliz com o trabalho da Honda e com o nosso grupo de engenheiros. Está tudo funcionando perfeitamente", acrescentou.
fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube