Diretor da Renault credita rendimento apagado no GP do Brasil ao “sacrifício da performance pela regularidade”

Cyril Abiteboul justificou o desempenho apático da Renault em Interlagos explicando que a equipe precisou pensar muito mais na confiabilidade do que na performance para evitar a repetição dos abandonos recentes

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

A Renault teve uma queda de performance considerável em Interlagos em relação ao que vinha apresentando nas etapas anteriores da F1. No entanto, segundo o diretor-esportivo Cyril Abiteboul, tudo aconteceu dentro do planejado pelos franceses, que realmente tiveram de abrir mão de desempenho por mais confiabilidade, o que era o calcanhar de Aquiles do time e das equipes que recebem motores Renault na segunda metade da temporada.

 
De acordo com Abiteboul, os abandonos consecutivos especialmente de Nico Hülkenberg e da Toro Rosso fizeram com que os franceses optassem por tirar um pouco da agressividade do motor em Interlagos, o que tornou o GP do Brasil bastante complicado para a equipe, que só salvou um ponto com o piloto alemão.
Nico Hülkenberg salvou o único pontinho da Renault em Interlagos (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)
"Nós sabíamos que estávamos em uma situação em que o necessário era sacrificar um pouco da performance para melhorar a confiabilidade. Foi uma situação bem ruim, na verdade tudo se resolveu ali na primeira volta e acabou sendo uma corrida sem propósito para o nosso time. Fica o gosto amargo porque sabemos do potencial de ir mais longe", disse.
 
Para o dirigente, a Renault precisa ter os dois pontos bem afiados se quiser pensar em ter sucesso na F1 nos próximos anos.
 
"O certo é que precisamos garantir que isso não volte a acontecer. Não dá para escolher entre performance e confiabilidade, na F1 você precisa ter os dois para se dar bem", seguiu. 
 
Mesmo com esse discurso, admitiu que, para a corrida final de 2017, a Renault provavelmente voltará a mesclar performance e confiabilidade.
 
"No entanto, em Abu Dhabi, estamos novamente em situação delicada: se não formos agressivos na última corrida do ano, seremos quando? Por outro lado, não podemos ignorar o fato de que a Haas está próxima da gente no campeonato", completou.
 
MELHOR DE 2017

COM TÍTULO EM TEMPORADA DIFÍCIL, MÁRQUEZ É PILOTO DO ANO

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height:
0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute;
top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube