Diretor da Renault ressalta evolução em confiabilidade do motor, mas diz que “dói terminar temporada sem vitórias”

Rémi Taffin acredita que a montadora deverá voltar ao topo do pódio em 2016. Sem a vitoriosa parceria com a Red Bull, a Renault está prestes a anunciar seu retorno à F1 como equipe de fábrica depois de oficializar a compra da Lotus

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Caso dê a lógica no GP de Abu Dhabi, prova que encerra a temporada 2015 do Mundial de F1 no próximo domingo (29), a Renault vai amargar um raro período de disputar um campeonato inteiro sem vitórias na categoria. No período mais recente em que figurou no grid como equipe de fábrica, o time francês ficou apenas um ano sem triunfos, em 2007. Depois deste hiato, de 2008 em diante, seja como equipe ou como fornecedora de motor da Red Bull e da Lotus, a Renault emendou uma sequência de vitórias que teve fim com os seguidos problemas de confiabilidade ocorridos em 2015 e que fizeram com que a Red Bull decidisse encerrar a união outrora vitoriosa com a fábrica de Viry-Châtillon.
 
Por isso, Rémi Taffin diz que “dói terminar a temporada sem vitórias”. Entretanto, o diretor de operações da Renault Sport acredita que 2015 reservou alguns momentos positivos, sobretudo em termos de reação da fábrica quanto à confiabilidade da unidade de potência entregue a Red Bull e Toro Rosso. 
A falta de performance do motor Renault fez ruir a parceria outrora vitoriosa com a Red Bull (Foto: Getty Images)
Para 2016, a Renault deve fornecer seus motores apenas à sua própria equipe. A montadora está prestes a anunciar seu retorno à F1 como equipe de fábrica depois de oficializar a compra da Lotus, definida como mera formalidade tanto por Gerard López quanto por Federico Gastaldi, dono e chefe-adjunto da equipe de Enstone. Será, assim, o retorno da Renault ao grid depois de vender sua participação ao Grupo Genii em 2010.
 
“Após uma longa temporada, chegamos à corrida final em Abu Dhabi. Não foi o melhor ano que poderíamos esperar e dói chegar ao fim do ano sem vitórias, mas aprendemos muito e demos alguns passos em frente que vão nos consolidar no futuro”, declarou o engenheiro francês em prévia divulgada pela Renault Sport na última quarta-feira (25).
Rémi Taffin acredita que a Renault poderá voltar a vencer já no ano que vem (Foto: Frederic Le Floch/DPPI)
“Depois de uma complicada primeira parte da temporada, consolidamos nossa confiabilidade e cada peça agora é muito mais forte em relação ao ano passado, enquanto na performance nós agora estamos muito mais próximos e sabemos que em algumas situações nós conseguimos lutar pelo pódio”, destacou Taffin, lembrando que a Red Bull foi ao pódio três vezes na temporada: com Daniil Kvyat e Daniel Ricciardo, segundo e terceiro no GP da Hungria, respectivamente, e novamente com Ricciardo, segundo lugar no GP de Cingapura.
 
Agora, quase ao fim da temporada, Taffin segue para 2016 confiante em poder ver novamente a Renault no topo do pódio da F1. “Lutar por vitórias é o passo seguinte, e a informação obtida neste ano vai nos ajudar a conquistar este objetivo”, finalizou.

 

(function(d, s, id) { var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0]; if (d.getElementById(id)) return; js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = “//connect.facebook.net/pt_BR/sdk.js#xfbml=1&version=v2.3”; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs);}(document, ‘script’, ‘facebook-jssdk’));

Sobre o motor alternativo na F1 em 2017: não vai rolarhttp://grandepremio.uol.com.br/f1/noticias/com-veto-das-montadoras-grupo-de-estrategia-rejeita-proposta-de-motor-alternativo-para-f1-em-2017-diz-revista

Posted by Grande Prêmio on Quarta, 25 de novembro de 2015

PADDOCK GP EDIÇÃO #8: ASSISTA JÁ

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)<0?n+="px":n,cc.style.display="",s2.width=n,window.frameElement&&(s1.height=c2.offsetHeight+5+"px"),t=500,s1.width="100%"}rs(t)},200)}var c1=window.frameElement?window.frameElement:document.getElementById("crt_ftr"),c2=document.getElementById("crt_ftr"),s1=c1.style;s1.position="fixed",s1.bottom="-4px",s1.left="0px",window.frameElement&&(s1.height="0"),c2.style.textAlign="center",s1.zIndex="60000";var cc=document.getElementById("crt_cls"),s2=cc.parentNode.style;cc.onclick=function(){s1.display="none"};var t=0;rs(0);

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth < 970) ? 302357 : 302359;
document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube