Domingo em Silverstone tem tempo bom e chance mínima de chuva para GP dos 70 Anos

A temperatura ambiente máxima para as próximas horas no palco da quinta etapa da temporada 2020 da Fórmula 1 não vai chegar aos 30ºC, segundo prevê a meteorologia. E a possibilidade de pista molhada para a sequência deste domingo é de somente 5%

A quinta etapa da temporada 2020 do Mundial de Fórmula 1 vai ser disputada com pista seca. É o que diz a previsão do tempo para o GP dos 70 Anos, prova que comemora um aniversário histórico para a principal categoria do automobilismo. A disputa, que tem largada prevista para logo mais, 10h10 (de Brasília), em Silverstone, vai ser marcada pelo calor, ainda que menos na comparação com a sexta-feira passada. A chance de chuva é mínima para as próximas horas.

Segundo informa o site Weather Channel, no momento, pouco depois da corrida 2 da Fórmula 2, vencida por Yuki Tsunoda, a temperatura ambiente é de 22ºC, com idêntica sensação térmica. A velocidade dos ventos é alta neste fim de manhã de sol entre nuvens, com 17 km/h soprando na direção Leste.

SILVERSTONE; F1; F1 2020; GP DOS 70 ANOS;
Silverstone recebe o GP dos 70 Anos da Fórmula 1 neste domingo (Foto: Scuderia Ferrari)

Para a sequência do domingo, a temperatura ambiente máxima prevista em Silverstone é de 29ºC, com sensação térmica de 31ºC, enquanto a possibilidade de chuva apontada pela meteorologia é de somente 5%. A velocidade dos ventos tende a reduzir de maneira ligeira, caindo para 15 km/h, também na direção Leste. Já a umidade relativa do ar prevista para o horário da corrida é de 50%.

O calor é uma das preocupações para o domingo, sobretudo para a Mercedes, que não costuma render bem com altas temperaturas. Outro ponto para o GP dos 70 Anos é o desgaste excessivo dos pneus, situação que ficou evidente no fim de semana passado, no GP da Inglaterra, e que prejudicou três pilotos: Carlos Sainz, Valtteri Bottas e Lewis Hamilton, que por muito pouco não perdeu a vitória.

Nesta manhã de domingo, durante a corrida da Fórmula 2, dois pilotos apresentaram desgaste excessivo dos pneus: Christian Lundgaard, que teve o dianteiro esquerdo furado, e Robert Shwartzman, que perdeu performance no fim antes de ter sido tocado pelo seu companheiro de equipe Prema, Mick Schumacher. A vitória ficou com Yuki Tsunoda, da Carlin.

Logo mais, Bottas, da Mercedes, vai largar na pole-position do GP dos 70 Anos da Fórmula 1, tendo Lewis Hamilton, companheiro de equipe do finlandês e hexacampeão do mundo, ao seu lado na primeira fila. Destaque para Nico Hülkenberg, que colocou a Racing Point em terceiro no grid. O alemão, que substitui Sergio Pérez, infectado pelo coronavírus, vai largar ao lado de Max Verstappen, da Red Bull. Daniel Ricciardo, da Renault, e Lance Stroll, também da Racing Point, fecham a terceira fila.

O GRANDE PRÊMIO acompanha AO VIVO e em TEMPO REAL tudo sobre o GP dos 70 Anos da Fórmula 1.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar