Ecclestone fala em ‘rasgar regulamento’, clama por fornecedor de motor independente e quer volta dos V8 já em 2016

Bernie Ecclestone não se conforma com o atual regulamento de motores e deixou claro que, se depender dele, vai rasgar as regras e impor às equipes a readoção dos motores V8 aspirados já para 2016. O dirigente endossou o discurso de Max Mosley e entende que um fornecedor independente, como a Cosworth, faria bem à F1

Se depender do chefão supremo da F1, Bernie Ecclestone, a regra de motores já para 2016 sofrerá uma mudança e tanto em sua estrutura. O dirigente máximo do esporte, que costuma dizer que é contra o regime democrático na F1 atual, quer ‘rasgar o regulamento’ e impor a readoção dos motores V8 já para o ano que vem.

Na visão de Bernie, é ruim para a F1 estar ‘nas mãos’ de fornecedoras como a Mercedes e a Ferrari, as fábricas que contam com os melhores motores do grid. Por isso, o dirigente endossou o discurso proferido por Max Mosley, ex-presidente da FIA, e disse que a categoria precisa ter um fornecedor independente, como a Cosworth, que deixou o grid ao fim de 2013, justamente na época que marcou o encerramento da era V8.

'Czar da F1', Ecclestone quer 'rasgar o regulamento' dos motores (Foto: AP)

A partir de 2014, com a adoção dos V6 turbo, a F1 passou a ter uma predominância maior dos motores, o que se viu de forma mais nítida com o domínio dos carros e dos motores Mercedes. A Ferrari, que conseguiu fazer um grande trabalho para melhorar sua unidade de potência, deu um grande salto de qualidade e hoje é a segunda força do grid.

Mas Bernie não concorda com o quadro atual da F1. Para isso, quer mudanças imediatas na regra dos motores. E está disposto a liderar uma frente para tal propósito mesmo sem o consentimento das equipes. Para mudar o regulamento, é preciso da aprovação unânime dos times da F1.

“Não acho que nós devemos obter o consentimento das equipes. Acho que nós precisamos fazer isso e dizer para eles: ‘Se você não gostar disso, você pode ir para a arbitragem’. Nós podemos voltar com os V8 no ano que vem. O pessoal pode construí-los em tempo, então devemos fazê-lo”, declarou o dirigente em entrevista ao diário britânico ‘The Independent’.

“Se a Ferrari só concordou em fornecer para um cliente de motor, se a Mercedes só concordou em fornecer para um cliente, ninguém mais teria qualquer motor. A situação é exatamente essa”, disparou, criticando o protagonismo de Mercedes e Ferrari.

“Precisamos de um fornecedor de motor independente. Já estou batendo nessa tecla por um ano e meio”, bradou Ecclestone, que sempre deixou claro ser contrário à adoção dos motores V6 turbo na F1.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube