Em segundo treino livre sonolento, Hamilton responde a Rosberg e fecha sexta-feira com melhor tempo em Monza

Como de costume, o segundo treino livre foi morno e previsível em Monza. A Mercedes voltou a dominar em Monza, mas com posições invertidas em relação à manhã. Lewis Hamilton superou Nico Rosberg e cravou a melhor marca do dia no circuito italiano. A Ferrari veio logo atrás e diminuiu de 1s para 0s4 a diferença em relação aos carros prateados

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

A sexta-feira (2) de treinos livres do GP da Itália, 14ª etapa da temporada 2016 do Mundial de F1, teve um desfecho já esperado: Mercedes nas duas primeiras colocações da tabela de tempos. Sem surpresas, os carros prateados voltaram a dominar a sessão desta tarde em Monza, porém com uma diferença bem menor em relação à obtida durante a manhã contra a Ferrari. Desta vez, as posições se inverteram, e Hamilton comandou  tabela de tempos. Com 1min22s801, o tricampeão e líder do campeonato desbancou a marca estabelecida por Nico Rosberg no primeiro treino e fechou a sexta-feira como o mais rápido do dia no lendário circuito italiano. Sem problemas, o britânico enfiou 0s193 de vantagem para o rival.

A Ferrari se manteve como segunda força em Monza nesta tarde, repetindo o desempenho da manhã. Mas as posições também foram invertidas em relação ao primeiro treino. Desta vez, Sebastian Vettel foi mais rápido que Kimi Räikkönen e fechou o treino em terceiro lugar. O tetracampeão foi 0s453 mais lento que Hamilton, mas a diferença foi menor em relação aos 1s088 da Mercedes perante a Ferrari na primeira sessão. Desta vez, a Red Bull mostrou serviço e colocou seus dois carros logo atrás da rival Ferrari, com Max Verstappen em quinto, 0s305 mais lento que Räikkönen, e Daniel Ricciardo completando o rol dos seis primeiros.

Fernando Alonso, depois de ter se recuperado de um problema na embreagem mais cedo, voltou à pista e marcou o sétimo melhor tempo, indicando uma sensível evolução do motor Honda em pistas de alta velocidade, uma crônica deficiência no ano passado. O bicampeão superou a Williams de Valtteri Bottas, oitavo colocado, enquanto Romain Grosjean aproveitou a potência da última versão do motor Ferrari e colocou a Haas em nono. Jenson Button, companheiro de Alonso na McLaren, fechou a lista dos dez primeiros em Monza.

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 1
,components : { mute: {delay :3}, skip: {delay :3} }
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);

Lewis Hamilton respondeu a Nico Rosberg e fechou a sexta-feira como o mais rápido em Monza (Foto: Beto Issa)

Felipe Massa, no seu último fim de semana de GP da Itália, fechou a tarde em 11º. Já Felipe Nasr voltou a ter um desempenho bastante complicado com um carro que vem rendendo bem menos em relação ao seu companheiro de Sauber, Marcus Ericsson. O brasiliense terminou em 21º e penúltimo, só à frente do britânico Jolyon Palmer, com a Renault que simplesmente não se achou em Monza.

A F1 retoma os trabalhos no sábado (3) com a disputa do terceiro treino livre, às 6h (horário de Brasília), e do treino classificatório, às 9h. O GRANDE PRÊMIO acompanha tudo AO VIVO e em TEMPO REAL.

Saiba como foi o segundo treino livre do GP da Itália de F1

Os primeiros minutos do segundo treino livre do fim de semana foram marcados pela liderança da Ferrari. Não demorou muito para que Sebastian Vettel e Kimi Räikkönen assumissem a ponta da sessão. Com pneus macios, o alemão anotou 1min24s444, quase 0s6 mais rápido que o 'Homem de Gelo'. Felipe Massa aparecia em terceiro. Entretanto, pouco depois, Rosberg provou que a Mercedes é imensamente superior à Ferrari. Com pneus médios, o vice-líder do campeonato subiu para segundo com 1min24s752, só 0s3 mais lento que Seb.

Diferente de Rosberg, Hamilton fez sua primeira participação no segundo treino livre usando pneus macios. E o piloto não teve grandes dificuldades para assumir a ponta da sessão. O britânico cravou 1min23s732, 0s712 mais rápido que Vettel. Fernando Alonso, por sua vez, enfrentava problemas nos boxes. A McLaren trabalhava para reparar problemas hidráulicos e também para fazer a troca de um conector localizado entre o motor e o câmbio.

A Williams mostrava bom desempenho no começo da sessão e tinha Bottas em quarto lugar, duas posições à frente de Massa. Entre eles estava Räikkönen. Os FW38 eram mais rápidos que as Red Bull e também as Force India. Mas a sessão da tarde estava apenas começando em Monza.

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

A McLaren estava lá entre os primeiros, com Jenson Button em sétimo, provando a sensível melhora do motor Honda. A Haas também tinha boa performance, repetindo a forma exibida no primeiro treino livre, com Romain Grosjean em oitavo. A equipe norte-americana trazia uma nova asa traseira e também contava com o motor atualizado da Ferrari.

Outra equipe com um desempenho notável no começo do treino era a Manor. Esteban Ocon e Pascal Wehrlein, graças também à força do motor Mercedes, estavam bem à frente de equipes como Sauber, Toro Rosso e a Renault, a grande decepção da sexta-feira. A escuderia anglo-francesa ficou com as duas últimas posições no treino da manhã.

A Red Bull enfim mostrou serviço quando Daniel Ricciardo foi à pista com pneus macios e marcou 1min24s115, subindo para segundo lugar. Mas logo o australiano seria demovido do posto, já que os carros de Mercedes e Ferrari aceleravam com pneus supermacios. E aí Rosberg passou para assumir a liderança ao marcar 1min22s994. Mas logo depois Hamilton completou sua volta rápida e tomou do rival a ponta da sessão ao registrar 1min22s801, a então melhor marca do dia, fechando a primeira hora da sessão. Vettel vinha em terceiro, seguido por Ricciardo e Gutiérrez surpreendendo em quinto.

A Renault pintou como a grande decepção da sexta-feira em Monza (Foto: Beto Issa)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Mas logo o mexicano era superado por Max Verstappen e por Valtteri Bottas. Ainda assim, era uma boa posição àquela altura do treino. Button voltava ao sétimo lugar pouco depois, à frente de Massa, com Sergio Pérez vindo logo atrás e Gutiérrez caía para o décimo lugar. Até que o safety-car virtual foi acionado pela direção de prova pela primeira vez no fim de semana depois que o carro de Esteban Ocon ficou parado pouco antes da primeira curva Di Lesmo.

Felipe Nasr aparecia numa modesta 18ª posição, à frente somente dos carros da Renault e da Toro Rosso, equipe que sofria muito com a defasagem do motor Ferrari, versão 2015. Romain Grosjean, com a Haas empurrada pela última versão do motor Ferrari, era quem se destacava e subia para oitavo. Já Alonso simplesmente não conseguia guiar sua McLaren. Depois de completar poucas voltas, o espanhol retornou aos boxes novamente com problemas na embreagem do seu carro. Era uma jornada difícil para o bicampeão, que já venceu duas vezes em Monza. 

Na meia hora final da sessão, poucas foram as mudanças em termos de posições, uma vez que, como de praxe, a programação das equipes compreendeu avaliações com os carros em ritmo de corrida, com os pilotos fazendo long-runs com os pneus médios, macios e supermacios. Alonso, por exemplo, conseguiu se recuperar dos problemas e subiu para um bom sétimo lugar, comprovando a notável melhora da McLaren.

Mas, no fim as contas, foi um treino, como tantos outros treinos livres, sem muita ação e bastante previsível: a Mercedes na frente, bem à frente do resto. É bem verdade que a Ferrari diminuiu a diferença em relação à sessão da manhã e a Red Bull superou a Force India ao colocar seus dois carros em quinto e sexto, mas nada que fosse muito além do esperado. A perspectiva é de domínio total da Mercedes para o restante do fim de semana, com Ferrari, Red Bull e, talvez a Force India, lutando pelo último degrau do icônico pódio italiano.

F1, GP da Itália, Monza, treino livre 2: 

1 44 LEWIS HAMILTON ING MERCEDES   1:22.801   40
2 6 NICO ROSBERG ALE MERCEDES   1:22.994 +0.193 42
3 5 SEBASTIAN VETTEL ALE FERRARI   1:23.254 +0.453 33
4 7 KIMI RÄIKKÖNEN FIN FERRARI   1:23.427 +0.626 28
5 33 MAX VERSTAPPEN HOL RED BULL TAG HEUER   1:23.732 +0.931 25
6 3 DANIEL RICCIARDO AUS RED BULL TAG HEUER   1:24.003 +1.202 33
7 14 FERNANDO ALONSO ESP McLAREN HONDA   1:24.259 +1.458 24
8 77 VALTTERI BOTTAS FIN WILLIAMS MERCEDES   1:24.299 +1.498 41
9 8 ROMAIN GROSJEAN FRA HAAS FERRARI   1:24.516 +1.715 35
10 22 JENSON BUTTON ING McLAREN HONDA   1:24.549 +1.748 28
11 19 FELIPE MASSA BRA WILLIAMS MERCEDES   1:24.556 +1.755 20
12 27 NICO HÜLKENBERG ALE FORCE INDIA MERCEDES   1:24.587 +1.786 40
13 11 SERGIO PÉREZ MEX FORCE INDIA MERCEDES   1:24.653 +1.852 42
14 50 ESTEBAN GUTIÉRREZ MEX HAAS FERRARI   1:24.674 +1.873 33
15 9 MARCUS ERICSSON SUE SAUBER FERRARI   1:24.981 +2.180 25
16 94 PASCAL WEHRLEIN ALE MANOR MERCEDES   1:25.083 +25.083 38
17 55 CARLOS SAINZ JR ESP TORO ROSSO FERRARI   1:25.240 +25.240 31
18 31 ESTEBAN OCON FRA MANOR MERCEDES   1:25.275 +25.275 13
19 20 KEVIN MAGNUSSEN DIN RENAULT   1:25.555 +25.555 39
20 26 DANIIL KVYAT RUS TORO ROSSO FERRARI   1:25.614 +25.614 33
21 12 FELIPE NASR BRA SAUBER FERRARI   1:25.643 +25.643 31
22 30 JOLYON PALMER ING RENAULT   1:25.833 +1.574 45
    TEMPO 107% TL2     1:28.597 +5.796  
                 
RECORDE JUAN PABLO MONTOYA COL WILLIAMS BMW   1:19.525 11/09/2004  
MELHOR VOLTA RUBENS BARRICHELLO BRA FERRARI   1:21.046 12/09/2004  

PADDOCK GP #44 DEBATE VITÓRIAS DE ROSBERG EM SPA E DE RAHAL NO TEXAS

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube