Espanha registra disparada de casos da Covid-19 em meio a etapa da Fórmula 1

Enquanto os carros da Fórmula 1 aceleram em Barcelona, a Espanha vê uma disparada nos casos de Covid-19 e liga o sinal amarelo a um mês de receber a MotoGP para mais uma etapa da temporada 2020

Enquanto os carros da Fórmula 1 aceleram no circuito de Barcelona, os índices de infecção por Covid-19 voltaram a crescer de maneira alarmante na Espanha. O país encerrou o isolamento social gradual há um mês e meio, após ter controlado a primeira onda da epidemia.

A situação é crítica, segundo especialistas, e a Espanha já apresenta os piores dados de infecções na Europa Ocidental, superando França, Reino Unido, Alemanha e Itália juntos.

Nas últimas 24 horas, a Espanha registrou 2.935 pessoas infectadas. Madri é a comunidade mais afetada, com 842 novos casos, seguida do País Basco, com 545, e Aragão, com 418. No total, o país tem 337.334 casos e 28.617 mortes, de acordo com a Johns Hopkins University.

No total, a região da Catalunha lidera o número de casos no país, com 90.890. Também foram registradas 5.709 mortes na localidade que atualmente recebe pilotos e funcionários de equipes da Fórmula 1, Fórmula 2 e Fórmula 3. No dia 27 de setembro, o circuito sedia a etapa da MotoGP, novamente com três categorias envolvidas.

Nos dados divulgados pelo governo local, na última semana foram 1.387 novos casos registrados e 16 óbitos.

Lewis Hamiton segue protocolo sanitário imposto pela F1 e usa máscara no paddock (Foto: Mercedes)

Quando suspendeu o rígido confinamento, em junho, a Espanha registrava dez vezes menos casos do que atualmente. O aumento do número de infectados tem feito com que muitos países europeus coloquem restrições às viagens para a Espanha. A Alemanha, por exemplo ampliou alertas para quase todas as regiões espanholas, exceto as Ilhas Canárias.

No site do governo, o país germânico ainda alertou que viajantes que retornam da Espanha que “a quarentena é obrigatória na Alemanha, o que pode ser evitado por um teste negativo de Covid-19”.

Nos últimos dias, o Reino Unido impôs novamente uma quarentena de duas semanas aos viajantes que retornavam da Espanha. A medida causou temores no paddoc da Fórmula 1, pois quase todas as equipes do grid possuem sede na Inglaterra.

Desde a volta da Fórmula 1 em junho, após a crise do coronavírus, três pessoas do paddock foram diagnosticadas com Covid-19. O piloto Sergio Pérez, da Racing Point, foi um dos infectados e perdeu os GPs da Inglaterra e dos 70 Anos, ambos em Silverstone.

GRANDE PRÊMIO acompanha AO VIVO e em TEMPO REAL o fim de semana do GP da Espanha de F1. Siga tudo aqui.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube