F1 negocia para ter corrida de rua na Arábia Saudita já na temporada 2021

De acordo com o site RaceFans, a Fórmula 1 considera correr na Arábia Saudita já no fim de 2021. GP ajuda a fortalecer vínculo com petrolífera Aramco, mas envolve categoria com país frequentemente acusado de violar direitos humanos

A Fórmula 1 se aproxima de ter uma grande novidade na temporada 2021: de acordo com o site RaceFans, o novo calendário tem grandes chances de trazer uma corrida de rua na Arábia Saudita. O plano é usar Jeddah, segunda maior cidade do país asiático.

A corrida de rua atende um interesse crescente da F1 na Arábia Saudita. A Aramco, petrolífera estatal do país, virou patrocinadora da categoria e investe pesado, comprando até mesmo naming rights de três GPs da temporada 2020. O plano inicial era usar um autódromo a ser construído nas redondezas de Riyadh, capital do país. Só que atrasos causados pela pandemia do coronavírus fortaleceram a alternativa de usar uma pista de rua em um primeiro momento.

Caso as negociações tenham desfecho positivo, a pista de Jeddah recebe a F1 no fim de 2021. De acordo com o ‘RaceFans’, o tempo para preparar a pista é curto e seria conveniente deixar a Arábia Saudita como penúltimo destino do ano. Abu Dhabi mantém a decisão, direito garantido por contrato.

A Fórmula 1 negocia para visitar Jeddah, na Arábia Saudita (Foto: Reprodução/Twitter)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

A F1 não é a primeira categoria do esporte a motor a dar atenção à Arábia Saudita. A Fórmula E corre na pista de Diriyah desde 2018, realizando até mesmo rodada dupla. O Rali Dakar também virou produto do país asiático, deixando a América do Sul após 2019.

A ida à Arábia Saudita promete ser lucrativa para a F1, mas traz junto uma série de questionamentos éticos. O país é acusado de violar direitos humanos, com práticas como tortura ainda sendo comuns. A pena de morte também é recorrente, sendo usada como punição contra homossexuais. Em alguns casos, até decapitação é praticada.

O país tenta se modernizar na gestão do príncipe-regente Mohammed bin Salman, mas lentamente. Uma lei que proibia mulheres de dirigir só foi descartada em 2018. Esse esforço é visto também em questões mais banais: cinemas eram proibidos por lei e só foram reabertos também em 2018. Mesmo com o esforço, Mohammed bin Salman é também o responsável pela ordem de assassinar Jamal Khashoggi, jornalista morto na embaixada saudita da Turquia.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube