Farto da maré de azar, Verstappen se prepara para GP da Áustria no simulador e ironiza: “Lá o motor não quebra”

Max Verstappen começou o fim de semana do GP do Azerbaijão como o grande destaque, mas acabou a corrida com mais uma decepção. A quebra que o tirou de combate em Baku foi a quarta em seis corridas na temporada. A fase é tão ruim que, enquanto seu companheiro de equipe vencia a prova, Max recebia multa por não falar com a imprensa após abandonar a disputa

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

A falta de sorte vem sendo a grande marca da temporada 2017 do Mundial de F1 para Max Verstappen. O talentoso e jovem holandês começou bem o campeonato e marcou 25 pontos em duas corridas, com direito ao pódio no GP da China. Mas desde então, foram quatro abandonos nas seis últimas corridas, algo que se repetiu no último domingo (25), no insano GP do Azerbaijão, uma prova que certamente Verstappen teria chances de vitória se não tivesse novamente problemas no motor. A fase é tão ruim que, enquanto Daniel Ricciardo vencia a corrida em Baku, Max era multado pela F1 por não ter falado com a imprensa sobre o fim precoce da sua jornada em solo azeri.

 
O pior para Verstappen é que seu fim de semana começou muito bem, dominando os dois primeiros treinos livres no Azerbaijão na última sexta-feira. O sábado foi razoável e dentro do que se espera da Red Bull ao conquistar o quinto lugar do grid de largada — aí foi a vez de Ricciardo ter problemas no Q3. No domingo, contudo, a corrida de Max não durou mais do que 12 voltas. Tudo por conta de problemas no motor Renault-TAG Heuer que empurra seu Red Bull.
 
“Não estava preocupado com a confiabilidade durante a corrida. Até que, de repente, um problema outra vez. É muito decepcionante abandonar outra vez quando você está numa boa posição e ainda mais quando se observa o que aconteceu depois. A equipe ainda está revisando o que aconteceu. Foi algo com o motor”, revelou o piloto em entrevista ao programa holandês ‘Peptalk’.
Max Verstappen está farto de tanto azar nesta temporada (Foto: Reprodução)
Ainda assim, Verstappen prefere enxergar o lado positivo do fim de semana. “Acho que foi uma surpresa positiva em Baku. O carro estava bem, mas quero marcar pontos. Em termos de velocidade, durante todo o ano estive muito bem, mas quanto a marcar pontos, então não estou tão bem”, lamentou Max, que soma 45 pontos e está em sexto lugar no Mundial de Pilotos. Quarto colocado, Ricciardo tem mais que o dobro do seu companheiro: 92.
 
“A equipe espera que você dê o máximo, e eu, que tudo seja perfeito tanto da Red Bull como também do motor. É muito difícil. Foi um problema de motor e, infelizmente, não é a primeira vez”, disse Max, que também abandonou no GP do Canadá por conta de uma falha na unidade motriz. 
 
O que consola Verstappen é que o problema não vai surgir nos próximos dias, ao menos no simulador enquanto inicia sua preparação para a próxima etapa da temporada, o GP da Áustria, entre 7 e 9 de julho. “Vou estar no simulador na próxima quarta-feira. Pelo menos lá o motor não quebra”, ironizou.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Para fechar o fim de semana difícil, Verstappen foi multado em € 25 mil (R$ 92,7 mil) por não ter falado com a imprensa depois de ter abandonado o GP do Azerbaijão. De cabeça quente, Max optou por não falar com os jornalistas no ‘cercadinho’ determinado pela FIA no paddock do circuito de Baku. “Não achei que fosse o correto falar naquele momento. Fiquei na pista meia hora para falar da corrida e do equilíbrio do carro com meus engenheiros e logo fui embora. Achei que era o mais inteligente”, justificou.

 
No entanto, Max descartou qualquer tipo de teoria da conspiração contra si. “Não, em absoluto. Se você observar o quão duro trabalham os caras dia e noite para fazer com que o carro funcione perfeitamente e o quanto eles ficam decepcionados quando lago dá errado, você pode ver que não.  Se você ver a forma como acabou a corrida, imaginar que poderia vencer… estava muito decepcionado”, finalizou.
NOVA DERROTA EM 2017 MOSTRA QUE TOYOTA E LE MANS SÃO COMO ‘ÁGUA E ÓLEO’

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height:
0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute;
top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube