Feliz na Force India, Pérez recorda temporada “desastrosa” em 2013 e critica: “Faltou muita humildade à McLaren”

Sergio Pérez não tem nenhuma saudade da sua antiga equipe, mas sempre acaba sendo perguntado aqui e ali sobre sua frustrante passagem por Woking. Apesar de, desta vez, amenizar o discurso e dizer que ao menos “aprendeu demais”, o mexicano criticou a postura da McLaren quando por lá competiu. Hoje, está muito perto de renovar com a Force India

Sergio Pérez tem feito uma boa temporada com a Force India. É bem verdade que seu desempenho em 2015 está bem longe daquele que o consagrou há três anos, pela Sauber, chegando a incríveis três pódios. Mas a atualização do VJM08, que melhora a cada prova, permite a ‘Checo’ sonhar com tempos ainda melhores. E isso lhe faz feliz. Bem diferente, por exemplo, a única temporada que passou como piloto da McLaren, em 2013, um ano que o mexicano de Guadalajara prefere esquecer.

Em entrevista à emissora espanhola de TV Movistar, Pérez, na noite desta quinta-feira (17) no paddock de Marina Bay, coincidentemente ou não, em frente dos boxes da McLaren, foi indagado sobre a antiga equipe. E questionado se tinha vivido em Woking o pior ano da sua carreira como piloto, Pérez se esquivou, mas disse que faltou humildade ao time britânico.

“Isso é um pouco forte, mas, sem dúvida, não foi a melhor, mas aprendi muito. A McLaren é uma grande equipe, com pessoas muitas capazes, com as quais aprendi demais, então procuro sempre levar as coisas pelo lado positivo”, afirmou.

Sergio Pérez disse que a temporada 2013, pela McLaren, foi "um desastre" (Foto: Getty Images)

À época da sua dispensa, em 2013, Pérez foi pego de surpresa por ter sido sacado da equipe no fim daquela temporada. Hoje, mesmo correndo por uma equipe do pelotão intermediário da F1, Sergio só vê a McLaren pelo retrovisor ou quando vai dar uma volta nos carros de Jenson Button e Fernando Alonso.

Questionado sobre os motivos para uma queda tão brusca de desempenho da sua equipe, Pérez não se furtou a falar. “É difícil opinar sobre o que está acontecendo na equipe porque a gente não sabe o que se passa no dia-a-dia, mas é triste ver uma equipe tão grande no lugar em que está”.

“Mas alguma coisa está errada, e é preciso de mudanças drásticas para que as coisas melhorem. Acho que o carro e o motor são muito ruins, mas não há nenhuma dúvida sobre a capacidade dos seus pilotos”, acrescentou. ‘Checo’ jamais escondeu sua admiração por Alonso e teve em Button o seu companheiro de equipe mais vitorioso na carreira.

Sobre 2013, as lembranças são as piores possíveis. “Esse campeonato foi um desastre: o carro era muito inconsistente, muito difícil de prever. Um dos piores carros que já guiei em toda a minha vida, sem dúvidas.”

“Eles vinham de um grande carro, mas mudaram tudo porque pensavam que poderiam ser competitivos para dominar no ano seguinte. A ambição subiu à cabeça. Colocaram a dianteira da Red Bull e a traseira da Ferrari, mas na quarta corrida já tínhamos voltado ao carro anterior porque os números nos diziam que o de 2013 era muito ruim e que não íamos chegar a um nível de lutar por vitórias”, recordou. De fato, o McLaren-Mercedes MP4-27 começou a temporada 2012 como o melhor carro. Da mesma forma como terminou, no topo do pódio.

Mas o cenário foi bem diferente em 2013. “Não entrávamos no Q3 e estávamos pensando em vitórias. Neste momento, faltou muita humildade à McLaren”, complementou.

Olhando agora para o presente, Pérez se mostrou feliz com o desempenho do carro da Force India, e disse que espera por um bom desempenho no fim de semana em Cingapura, onde acredita que a escuderia de Silverstone poderá brigar de igual para igual com a Red Bull pelas primeiras posições do ‘resto’, deixando de lado Mercedes e Ferrari.

“Ainda falta o melhor, porque agora o carro está em seu melhor momento, e espero que possamos fazer boas corridas e de forma constante. Estou bem, muito tranquilo e motivado. Acho que as opções são boas, mas é preciso levar em conta a Red Bull, que estará muito forte. Acredito que podemos lugar por pontos, mas a Red Bull será uma forte oponente”, encerrou.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube