FIA esclarece limites de pista na F1 e exige que equipes usem todos os equipamentos de segurança do cockpit em testes

A FIA esclareceu que os pilotos só poderão sair da pista se houver um motivo justificável para tal, um assunto a respeito do qual os pilotos e o público vinham tendo dificuldade em compreender

Conforme solicitado pela Comissão de Pilotos da FIA, o assunto limites da pista foi abordado na reunião do Conselho Mundial da entidade em Paris. Dentre as resoluções divulgadas apareceu um tópico referente ao tema.

De acordo com a FIA, as regras esportivas foram esclarecidas para especificar que os pilotos "devem fazer todos os esforços possíveis para usar a pista em todos os momentos e não podem sair da pista sem um motivo justificável".

As penalizações seguirão sendo aplicadas para os casos em que se considere que o piloto levou vantagem.

O que pode, o que não pode… Os limites da pista vêm causando polêmica na F1 (Foto: Getty Images)

Outros dois aspectos mencionados foram as largadas abortadas e a segurança do cockpit nos testes.

"Qualquer piloto que fizer com que uma largada seja abortada, mesmo que consiga sair do grid, terá de largar dos boxes. O mesmo processo será aplicado em uma relargada após uma bandeira vermelha em que pilotos sejam direcionados aos boxes", diz a nota.

 
Finalmente, a respeito dos testes: "Os carros agora deverão contar com todos os equipamentos de segurança do cockpit exigidos também durante os testes, tais como os da cabeça do piloto, o 'padding' e a facilidade de remoção do piloto".

Em 2015, a F1 se assustou durante a pré-temporada com o acidente de Fernando Alonso, que sofreu uma concussão em uma estranha batida em Barcelona. A contusão fez com que ele ficasse de fora do GP da Austrália e só reestreasse pela McLaren na Malásia.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube