Fotos mostram estado de conservação de Leafield, sede da Caterham, um ano e meio após falência na F1

A Caterham abandonou a F1 após a temporada 2014 da F1, fazendo falta para os fãs das equipes pequenas da categoria. Desde a falência, a sede em Leafield foi completamente abandonada. Mesmo assim, sem uso há 18 meses, o prédio é mantido em um ótimo estado de conservação

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Foi no distante 5 de fevereiro de 2015 que a jornada da Caterham na F1 chegou ao fim. A charmosa escuderia, que muito batalhou pela sobrevivência ao longo das cinco temporadas de existência, não conseguiu superar seus sérios problemas administrativos.
 
Desde então, a sede em Leafield ficou abandonada, sem uso. Mesmo assim, o estado de conservação da base da Caterham impressiona. O espaço segue primando pela limpeza e ainda conta com a maior parte da estrutura necessária para comandar uma equipe de F1. A energia elétrica ainda está lá.
 
A conservação tem um motivo óbvio: a base de Leafield está à venda desde meados de 2015 – mas ainda não há notícia de compradores. Enquanto um negócio não é fechado, o prédio fica nas mãos de administradores legais.
 
Dentro do prédio, resquícios da trajetória da equipe. Pastas seguem cheias de cartas enviadas por fãs. A papelada cotidiana de uma equipe de F1 também não foi retirada. Nos corredores, todos tipos de adornos: os carros da temporada 2013 surgem no piso, assim como o mapa dos circuitos da F1.
Os carros de 2013 ganham destaque nos corredores (Foto: Ben Garratt)
Os circuitos do calendário da F1 no piso de Leafield (Foto: Ben Garratt)
A papelada da finada Caterham segue em Leafield (Foto: Ben Garratt)
A sede de Leafield apresenta ótimo estado de conservação (Foto: Ben Garratt)
Os corredores de Leafield, conservados e sem uso (Foto: Ben Garratt)
O prédio de Leafield, sem uso desde 2014 (Foto: Ben Garratt)
PADDOCK GP #32 DEBATE MotoGP, F1, INDY E STOCK CAR

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube