GP Recomenda: cinco bons motivos para não se perder o GP da Austrália 2017

Finalmente, a F1 está de volta. Depois de quase quatro meses de espera, os fãs vão conferir todas as mudanças nos carros e os favoritos ao título. Como de costume, o Mundial larga no GP da Austrália, em Melbourne. E o GRANDE PRÊMIO lista agora cinco boas razões para não perder a abertura da temporada 2017

 
1) MAIOR LIBERDADE
 
Enfim, a F1 está de volta. A Austrália, como de costume, sedia a abertura da temporada 2017, uma das mais aguardadas dos últimos tempos, muito em função da revolução provocada pelo novo regulamento técnico. Mas também há a expectativa para entender como essa nova F1 vai funcionar sob a direção do Liberty Media, o gigante grupo de entretenimento norte-americano que concluiu a compra da maior das categorias no início deste ano. E como primeira medida, os donos já tiraram Bernie Ecclestone do poder, dividindo o comando do campeonato em três nomes Carey Chase, Sean Bratches e Ross Brawn. 
 
Ainda assim, já é possível ver algumas das mudanças promovidas pela nova gestão. Durante os testes coletivos em Barcelona, as equipes e pilotos receberam sinal verde para uma melhor interação com os fãs. O Liberty permite agora que os competidores publiquem vídeos das atividades, algo que era totalmente proibido até o último ano.
 
Além disso, a categoria já vive sob a direção esportiva de Brawn. O ex-diretor da Mercedes e da Ferrari já estuda formas de tornar o grid mais equilibrado e competitivo. E a ideia geral é também ampliar a interação da F1 com os fãs e atrair um público mais jovem. 
F1 vive uma nova era (Foto: Twitter/F1)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 1
,components : { mute: {delay :3}, skip: {delay :3} }
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);
2) UMA NOVA REGRA

 
A F1 chega a 2017 renovada. O novo regulamento técnico gerou uma pequena revolução e tornou os carros muito mais rápidos e difíceis de guiar. Entre as principais mudanças, estão a largura dos modelos, que agora contam também com pneus maiores e que se desgastam menos. As asas traseiras estão mais baixas e há muito mais downforce. A parte aerodinâmica tem mais importância e acabou por promover antigos elementos como a barbatana de tubarão e o bico-mamilo.
 
Outro ponto do livro de regras é relacionado aos motores. Desde a introdução dos V6 híbridos em 2014, a FIA vinha impondo limites para o desenvolvimento das unidades de potência. Agora, contudo, essas restrições não existem mais e cada fabricante pode trabalhar na evolução de seu motor livremente.
 
3) DUELO EM PRATA E VERMELHO
 
A Ferrari foi a grande protagonista da pré-temporada da F1. A equipe italiana projetou um carro rápido e consistente, e isso se refletiu na performance de Sebastian Vettel e Kimi Räikkönen na pista de Barcelona, onde os testes coletivos aconteceram. A esquadra vermelha, inclusive, fechou as atividades com os dois melhores tempos, esbanjando confiabilidade e otimismo por um campeonato mais competitivo.
 
Dessa forma, a Ferrari surge como a grande ameaça à Mercedes. A tricampeã não se mostrou tão veloz quanto a rival na Catalunha, mas apresentou um ritmo de corrida forte. Como de costume, a confiabilidade foi o ponto que mais chamou atenção no W08. Portanto, a esquadra prateada entra novamente em 2017 como favorita, mas agora com a expectativa de uma briga mais acirrada com Maranello.
 
4) MASSA – O RETORNO

Felipe Massa vive aquela piadinha da volta dos que não foram, é verdade. Depois de protagonizar uma das mais emocionantes e respeitosas despedidas do esporte no fim de 2016, o brasileiro teve uma segunda chance com os desdobramentos da aposentadoria de Nico Rosberg. Após a Mercedes decidir por Valtteri Bottas, a Williams recorreu a Massa, para assumir a vaga e ocupar o cargo de líder do time em uma temporada de um novo regulamento.

 
E o veterano provou que ainda tem trabalhos inacabados na F1. Nos testes em Barcelona, Felipe demonstrou uma sólida performance com o FW40, que parece ter nascido muito bem. O carro é rápido e apresentou pouquíssimos problemas. Aliás, a equipe só não andou mais por causa dos incidentes provocados pelo novato Lance Stroll – a quem Massa vai servir também como uma espécie de professor em 2017.
Felipe Massa está de volta à F1 (Foto: LAT Photographic/Williams F1)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

5) O FIASCO LARANJA

 
A McLaren mudou a chefia, o nome do carro e até as cores, retomando o laranja que a tornou famosa. Mas os problemas com a Honda continuaram em 2017. Na verdade, parecem ainda mais graves. A equipe mal andou em Barcelona e vai chegar a Melbourne com pouquíssima quilometragem, graças às falhas recorrentes das unidades de potência da fabricante japonesa.
 
Os seguidos contratempos geraram críticas e instauram uma crise interna na equipe antes mesmo do início do campeonato. O ambiente está tão pesado que já surgem rumores de que a esquadra inglesa está atrás da Mercedes, para um eventual acordo a partir de 2018. 
 
E é nesse clima, prevendo um novo fiasco, que o time de Fernando Alonso vai alinhar no Albert Park.
A Honda deixa a desejar em 2017 (Foto: McLaren)

PADDOCK GP #69 DEBATE ABERTURA DA INDY, TESTES DA F1 E MOTOGP E LEMBRA JOHN SURTEES

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube