Hamilton revela aprendizado com Vettel e diz que ‘imitou’ Bolt para ser campeão: “Comecei devagar e arranquei”

Usain Bolt e Lewis Hamilton se encontraram no pódio do GP dos EUA deste ano. O encontro pessoal foi ali, mas o de ideias e táticas foi além: o britânico diz que, para ser campeão em 2017, fez o mesmo que o jamaicano faz nas pistas

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Usain Bolt tinha, como maior dificuldade em sua brilhante carreira, a largada. Fosse nas provas de 100m, fosse nas de 200m, o jamaicano sempre largava pior que seus rivais, ficando para trás e, por pouquíssimos segundos, deixando a impressão que havia chegado a hora em que seria derrotado. Mas, no fim, arranncava e vencia com tranquilidade, aumentando sua lista de títulos.

Faça um exercício, então: troque Bolt por Lewis Hamilton e troque corridas de 100m e 200m pela temporada de 2017 da F1.

Sim, o título deste ano foi decidido exatsmente desta maneira: Hamilton começou atrás, mas superior que era aos rivais, deu o gosto ao público de que poderia perder, mas venceu com sobras, por antecipação. E ele mesmo tem essa noção.

Lewis Hamilton e Usain Bolt (Foto: AFP)

Em entrevista à 'BBC', o tetracampeão do mundo fez essa análise sobre seu desempenho no ano; "Veja as largadas de Usain Bolt. Ele é mais lento que os demais, mas do nada sai de trás dos rivais e arranca."

"Assim foi minha temporada. Quando Bolt vira no final, esse é sempre meu objetivo", completou.

A comparação é válida: Hamilton só foi liderar a temporada após o GP da Itália, o 13° do ano. E arrancou tão bem que foi campeão cinco corridas depois, com ainda duas por disputar antes da "linha de chegada".

Lewis Hamilton e Sebastian Vettel se cumprimentam após o GP do México (Foto: AFP)

Um dos fatores que Hamilton levará desta temporada também é o aprendizado que teve com seu principal adversário, Sebastian Vettel. Ao ser questionado sobre isso, não revelou o que aprendeu, mas que sem dúvida adquiriu conhecimento do ferrarista.

"Claro que não vou dizer o que aprendi, mas é possível enxergar, até os jornalistas aprenderam com ele. É possível aprender das experiências, de todos (os pilotos). Já tive anos como esse", disse.

"Ele já teve anos muito sólidos. Acredito que ele voltará no próximo ano com artilharia máxima", finalizou o campeão do mundo.

FIM DE UMA GERAÇÃO

GIAFFONE: “BRASIL TEVE SORTE POR TER PILOTOS POR TANTO TEMPO NA F1”

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height:
0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute;
top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube