Hamilton se assusta com maior chuva que já viu e sabe o que vai fazer se tempo seguir assim: ir ao cinema

Lewis Hamilton terminou a sexta-feira chuvosa em Austin em quinto lugar. O britânico, virtual tricampeão do mundo, não teve muito trabalho na abertura dos trabalhos no Circuito das Américas em razão do temporal. Se tudo seguir desta forma, o piloto da Mercedes pretende aproveitar seu tempo de outra forma

A sexta-feira (23) que abriu as atividades de pista em Austin, palco do GP dos Estados Unidos de F1, foi extremamente atípica. A forte chuva que desabou na região do Circuito das Américas, na capital do Texas, fez com que o treino livre 1, realizado pela manhã, fosse realizado com a pista bastante úmida. E aí o temporal veio de vez no período da tarde e fez com que a segunda sessão fosse adiada e, depois, cancelada pela direção de prova. Lewis Hamilton, quinto colocado do dia com o tempo estabelecido pela manhã, ficou impressionado com o volume de água daquela que foi a “maior chuva que já viu na vida” e não teve muito o que fazer nas horas seguintes, a não ser ver os raios nas cercanias da pista.
 
Mas para sábado, caso a meteorologia confirme a expectativa de mais um dia de chuva forte, Lewis já tem um programa em vista. Que nada tem a ver com o seu cronograma no Circuito das Américas. “Vamos torcer para que possamos sair para a pista amanhã e no domingo. Se a chuva vier forte amanhã como estão falando, talvez vou tirar o dia de folga e ir ao cinema”, brincou o bicampeão do mundo.
Se a mesma tempestade que desabou em Austin nesta sexta-feira aparecer no sábado, Hamilton quer tiar o dia de folga (Foto: Mercedes)
No fim das contas, Hamilton até curtiu a chuva, mas lamentou por não ter conseguido completar muitas voltas em Austin. “Teria sido um belo dia… adoro quando chove. Menos em dia de treino. O clima foi algo inacreditável. Acho que jamais vi uma chuva assim antes”, disse o britânico de 30 anos.
 
“De uma forma ou de outra, parece legal para ver de fora, mas eu me senti muito mal por todos os fãs que estavam lá fora hoje. Não completei muitas voltas pela manhã com a pista secando e queria poupar meus pneus para o treino da tarde, mas no fim das contas, não consegui sair. Gostaria de ter saído naquelas condições só para ver o que seria, mas é claro que a segurança dos fiscais de pista e de todo mundo vem em primeiro lugar”, reconheceu.
 
Hamilton se mostrou bem contente com o desempenho dos pneus enquanto esteve na pista e, se tudo seguir como foi no primeiro treino livre, ele acredita que terá um fim de semana positivo no Texas, onde já venceu duas vezes na carreira, em 2012 e 2014. “Fiquei surpreso com a aderência dos pneus intermediários que consegui nas poucas voltas que completei, apesar de tudo. A superfície da pista varia enormemente, e acho que isso é o que eu mais me recordo tendo esses pneus. Eu me senti muito bem, então vamos ter muita diversão se for mesmo assim na corrida”,  comentou.
 
A expectativa, depois de um dia tão confuso, é que tudo seja diferente no sábado. Mais do que uma expectativa, Lewis torce por um clima melhor para conseguir finalmente mostrar seu potencial e sacramentar o título mundial em Austin. “Não há muito o que fazer nessas situações. Você quer estar lá fora, mas você só tem de sentar e tentar aproveitar o tempo e, em seguida, estar pronto para encarar o dia seguinte. Temos pouca informação para trabalhar agora, de modo que o restante do fim de semana será intenso. Mas é o mesmo para todos, por isso vamos ter a certeza de que poderemos fazer o melhor trabalho possível. Vamos torcer para que possamos sair para a pista amanhã e no domingo. Mas o principal agora é que a gente consiga ter uma corrida”, finalizou.

A palavra do líder
 
Nico Rosberg fechou a sexta-feira como o mais rápido do circuito texano. O que, definitivamente, foi encarado de forma positiva pelo alemão, que lamentou somente pelos espectadores que viram pouca ação dos pilotos em Austin. 
 
“Para mim, não foi um dia ruim. Fiz minha lição de casa pela manhã, tive uma boa volta rápida e também trabalhei um pouco no acerto do carro. Mas é uma pena para os espectadores lá fora. Eles pagam caro para estar aqui e ficaram sem ver um único carro guiando à tarde”, lastimou o piloto, que se mostrou pessimista com a meteorologia. “Vamos ver o que o amanhã trará, mas a previsão do tempo não é boa”, lembrou.
Nico Rosberg ficou satisfeito com o desempenho da Mercedes em Austin. Mas lamentou pelos fãs da F1 (Foto: Mercedes)
 
Franco-atirador, Vettel diz que chuva pode ajudar Ferrari na corrida
 
Com chances meramente matemáticas de ainda conquistar o título da temporada, o vice-líder do campeonato, Sebastian Vettel, fechou a sexta-feira com o sexto melhor tempo depois de ter completado apenas dez voltas. O alemão, que vai perder dez posições no grid do GP dos Estados Unidos em razão de uma troca de motor, acredita que pode levar vantagem na corrida caso o clima assim permaneça.
 
“Primeiro de tudo, precisamos ver o que vai acontecer amanhã e domingo, mas com a punição, talvez isso possa nos ajudar um pouco no domingo”, declarou o tetracampeão, que não ficou tão impressionado assim como Lewis com o temporal que deu as caras neste primeiro dia de atividades de pista no Texas.

“Já tinha visto algo parecido, sim. Tivemos um ano no Canadá [em 2011], onde a corrida correu por um longo tempo devido à chuva, e tivemos um ano no Japão [em 2010] onde tivemos de cancelar a classificação no sábado e fazer isso no domingo”, recordou o alemão, que seguiu Rosberg e Hamilton e lamentou pelos fãs.

 
“É uma pena, especialmente pelas pessoas que vieram nos ver neste fim de semana aqui na pista. Mas não há muita coisa que possamos fazer. Temos de permanecer tranquilos e seguir preparados para amanhã, como se fosse um dia normal. Hoje nós, obviamente, não aprendemos muita coisa, então vamos ver as condições que o dia vai trazer. Todo mundo está na mesma situação”, concluiu o piloto da Ferrari.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube