Hamilton se orgulha por ser comparado a lendas do esporte e acha razão para ficar mais tempo na F1: Verstappen

Lewis Hamilton se disse orgulhoso por ser comparado a lendas do esporte como Michael Schumacher, Juan Manuel Fangio e Ayrton Senna, mas deixou claro que não tem pretensão de quebrar recordes e que só quer ser melhor naquilo que pode melhorar. O inglês também reservou palavras a Max Verstappen e já pensa em estender a trajetória na F1 apenas para travar duelos contra o jovem holandês

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Lewis Hamilton já reconheceu que precisou buscar o melhor de si para viver na F1 a temporada mais competitiva de sua carreira. E o esforço foi recompensado pelo título e a quebra de recordes. O inglês se tornou em 2017 o homem com mais poles e o quinto piloto a conquistar um quarto campeonato do mundo. Só que o britânico da Mercedes não se deixa iludir. Mostra respeito pelos grandes nomes da F1 e admite que sequer esperava virar campeão da principal categoria de monopostos do planeta. E que, agora, também nem pensa em bater os números do maior vencedor da história.

Lewis Hamilton se tornou em 2017 tetracampeão mundial de F1 (Foto: AFP)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

"A ideia de conseguir quatro títulos sempre me pareceu fora de alcance", afirmou o tetracampeão em entrevista à revista 'F1 Racing'. "Estou na lua. Mas todos sabemos o quão excepcional Michael (Schumacher) era e o quanto seus recordes estão durando. Não estabeleço a cada ano um objetivo de quebrar recordes. O meu objetivo é melhorar naquilo que posso ser melhor", completou.

 
Schumacher e Juan Manuel Fangio agora são os nomes à frente de Hamilton, em um ano em que o inglês conseguiu quebrar o recorde de seu ídolo, Ayrton Senna. "Não quero me comparar a Ayrton. Creio que é muito difícil de comparar anos diferentes na F1. Os carros eram outros. Mas me sinto orgulhoso em estar à altura dessas lendas do esporte. Acredito que Ayrton teria vencido muito mais se tivesse tido a sorte de viver mais", disse Lewis.
 
Hamilton também reconheceu que a quarta taça veio depois de uma das mais difíceis disputas de sua carreira. "Este ano foi também desafiador de um ponto de vista pessoal, mas foi o tipo de campeonato que sempre desejamos, lutando contra outra equipe. Foi um pouco como 2008. Estou também orgulhoso de ter brigado com alguém que já tinha quatro títulos e que sabe como vencer campeonatos. Acho que é o que a F1 quer ver."
 
"Mas fiz isso da minha maneira. Sempre há alguém para te dizer como tem de fazer as coisas, mas, para ter sucesso, é preciso acreditar em si mesmo e estou orgulhoso de tudo que consegui", acrescentou o britânico de 32 anos. 
 
Por fim, Lewis reservou palavras de elogios ao prodígio Max Verstappen, a quem já aponta como um dos principais rivais daqui para frente. "Max pilotou excepcionalmente bem neste ano. Foi capaz de tirar tudo do carro da Red Bull. É empolgante ver como ele está crescendo. Acredito que vou permanecer mais tempo na F1 apenas para correr contra ele", finalizou.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube