Hamilton vibra com retorno da França ao calendário da F1, mas critica escolha por Paul Ricard: “Não gosto da pista”

Lewis Hamilton gostou bastante da notícia do retorno da França ao calendário da F1 em 2018, mas não curtiu muito a escolha por Paul Ricard, traçado que desagrada o tetracampeão

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Lewis Hamilton vê com ótimos olhos o retorno da França ao calendário da F1 em 2018, mas fez suas ponderações. Para o tetracampeão do mundo, Paul Ricard não era, de forma alguma, a melhor das opções de traçado para que os gauleses voltassem a ver de perto a categoria máxima do automobilismo.

 
Hamilton foi bem direto e afirmou que não gosta do traçado de Paul Ricard, se queixando da opção da F1 e da ausêcia de Magny-Cours.
 
"Honestamente, não gosto da pista. Eu adorava o lugar que recebia as corridas francesas antes, adorava Magny-Cours. Paul Ricard é um lugar lindo, mas é uma pista que não é tão boa quanto Magny-Cours", disse em entrevista à emissora francesa 'Canal +'.
 
Para o piloto da Mercedes, o retorno da França é fundamental para a categoria, mas poderia acontecer em outra pista.
Paul Ricard está bem longe de ser a pista francesa dos sonhos de Lewis Hamilton (Foto: Mercedes)
"Mas acho que o mais importante de tudo é que vamos voltar a ter uma corrida na França, um palco importante da gira na Europa. A França tem alguns grandes circuitos, Le Mans, por exemplo. E a gente não corre no mais sensacional dos circuitos. Não faz sentido para mim", seguiu.
 
Apesar das críticas, o tetracampeão do mundo mostrou que acredita que a F1 vai ter uma de suas melhores etapas de 2018 no circuito francês.
 
"Tenho certeza que será um grande final de semana. Talvez até seja a nossa melhor corrida da temporada lá", completou.
Lewis Hamilton gostaria do retorno de Magny-Cours (Foto: AFP)
Não será a primeira vez da F1 em Paul Ricard. O circuito de Le Castellet já recebeu a corrida por 16 oportunidades, todas entre os anos de 1971 e 1990. Na última vez em que lá esteve, a F1 viu Nigel Mansell ser pole-position e Alain Prost, então de McLaren, vencer a corrida em casa. Prost venceu as últimas três corridas disputadas em Paul Ricard.
 
A França é o sexto país com mais edições de GP na história. São 58, atrás apenas de Inglaterra e Itália, com 67, Mônaco, com 63, Alemanha, com 62, e Bélgica, com 61. Os circuitos de Dijon-Prenois, Charade, Rouen-Les-Essarts, Reims e Le Mans também receberam a F1 como casa da perna francesa.
 
O maior vencedro do GP da França é Michael Schumacher, com oito vitórias – todas em Magny-Cours. Prost tem seis e Louis Chiron tem cinco, todas na era pré-F1. A Ferrari tem 17 vitórias contabilizadas.
 
EM BUSCA DO SONHO DA F1

PIETRO FITTIPALDI REVELA QUE NEGOCIOU COM A SAUBER PARA 2018

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height:
0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute;
top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube