Hülkenberg cita dificuldades de 2016 e fala em 2017 de “evolução gradual” para Renault: “Precisamos ser realistas”

Nico Hülkenberg ainda não está tão confiante com o 2017 da Renault. Para o alemão, o time francês vai precisar de um pouco de tempo até alcançar resultados mais expressivos

 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 3
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);
Nico Hülkenberg chegou para ser uma das grandes peças da Renault em 2017. O alemão, porém, não espera ainda ver o time andando na ponta na próxima temporada e mostrou, ao menos, confiança na evolução gradual dos franceses.

 
O piloto contou que acredita em evolução gradual da Renault na próxima temporada, ainda subindo aos poucos no grid da F1.
 
"Eu acho que o próximo ano ainda vai ser um ano de construção, de evolução gradual. Precisamos ser realistas. Esse ano foi muito difícil para a Renault, precisamos lembrar de como estava complicado quando eles compraram a Lotus, estava tudo enrolado", disse.
 
Hülkenberg reconheceu que a evolução da Renault foi muito lenta no ano de retorno à F1 e, por isso, espera pouco para 2017.
 
"Eles não conseguiram fazer muito em termos de desenvolvimento do carro desse ano, mas espero que ano que vem já estejamos um pouco melhor. Não espero chegar de cara no top-6, sei que até ficar entre os dez primeiros vai ser um desafio", seguiu.
Nico Hülkenberg não espera ainda a Renault no topo da F1 (Foto: Force India)
O alemão comentou que os franceses ainda vão precisar de tempo até encontrarem as pessoas certas para o desenvolvimento do projeto.
 
"Essas coisas demandam tempo. Construir uma boa infraestrutura e ter ótimas pessoas desenvolvendo o carro é algo que naturalmente demora", afirmou.
 
Agora ex-piloto do time, Hülk elogiou muito a Force India e seus profissionais, mas explicou que o time precisaria de mais recursos para ir além e brigar mais em cima.
 
"É muito difícil ir além, se meter entre os três primeiros. Acho que para isso a Force India precisaria de mais recursos. Apesar disso, eles têm grandes pessoas na fábrica e também na pista", completou.
 
fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube