Insatisfeita com Renault, Red Bull negocia para receber motores Ferrari a partir de 2016, afirma revista alemã

De acordo com a revista alemã ‘Sport Bild’, a Red Bull iniciou uma negociação para receber motores Ferrari a partir da temporada 2016. Acordo também envolve a Toro Rosso

O conflito entre Renault e Red Bull parece estar chegando ao fim. De acordo com a publicação alemã ‘Sport Bild’, a equipe dos energéticos iniciou uma negociação com a Ferrari para receber os motores italianos a partir da temporada 2016. O acordo também envolve a Toro Rosso.
 
Em parceria com a Renault, o time dos energéticos dominou a F1 e conquistou quatro títulos mundiais, mas o fim da era dos V8 acabou alterando o panorama do Mundial. Desde que os V6 turbo entraram em cena, a Mercedes vem dominando o esporte, ao passo que o motor francês parece ir de mal a pior.
Contrato da Red Bull com a Renault vai até 2016 (Foto: AP)
 De acordo com a publicação alemã, a Ferrari, que já forneceu motores para a Red Bull em sua estreia na F1, em 2006, está disposta a chegar a um acordo com os austríacos, mas o time de Daniel Ricciardo e Daniil Kvyat teria de se contentar com a especificação ‘B’ do propulsor, que tem um déficit de 20 a 30 cv em relação às unidades do time de fábrica. 
 
Mas, como o grau de insatisfação com a Renault é alto, a Red Bull não parece tão incomodada em receber um motor menos potentes. “Até mesmo uma versão ‘B’ da Ferrari seria melhor do que uma versão ‘a’ da Renault”, comentou Helmut Marko, consultor do time.
 
Red Bull e Toro Rosso têm contrato com a Renault até o fim da temporada 2016, mas ruptura do vínculo poderia ser facilitada pelo interesse da fábrica francesa em voltar a ter um time oficial na F1. Rumores indicam que a marca pode adquirir a Lotus.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube