Inscrita na seleção da FIA, Michelin defende guerra de pneus, rodas maiores e compostos que deixem pilotos atacar

A Michelin ainda não sabe se será aceita no processo seletivo aberto pela F1 para as temporadas 2017 a 2019, mas já deixou claro que deseja revolucionar o tratamento dado aos pneus nos últimos anos: a marca propôs pneus que diz serem melhores que os atuais e montados em rodas de 18 polegadas

Guerra de pneus, rodas maiores e compostos duráveis que deixem os pilotos atacarem: esta é a visão da Michelin para o Mundial de F1.
 
A fabricante francesa, que deixou a categoria no fim de 2006, agora deseja voltar. Nesta semana, confirmou sua inscrição no processo seletivo da FIA para as temporadas 2017 a 2019 e apresentou sua proposta para o Mundial.
 
Segundo a Michelin, o conceito adotado no que tange aos pneus nos últimos anos não é um bom caminho técnico, tampouco de marketing para a empresa. Daí o desejo de ver mudanças para poder selar o retorno.
 
A Pirelli, fornecedora única desde 2011, também está inscrita na seleção e é a favorita para continuar – Bernie Ecclestone já criticou a Michelin justamente por fazer exigências para voltar.
Pneus MIchelin foram usados pela última vez na F1 em 2006 (Foto: Getty Images)
“Poderíamos obviamente criar compostos diferentes e sugerir que um carro dê tantas voltas com aquele pneu, mas atacando o tempo todo. O piloto não precisaria esperar a degradação dos pneus. Você pode criar uma regra de pit-stop obrigatório, e uma equipe pode até escolher reutilizar um pneu em particular uma ou duas vezes. Então há coisas que podem ser feitas sem que os pilotos andem com 70% do potencial, como é o caso agora”, sugeriu Pierre Couasnon, diretor de automobilismo da Michelin, à ‘Autosport’.
 
“Acreditamos que rodas de 18 polegadas fazem sentido, e por que não 19 ou 20, se for preciso? O que é chave é fazer algo que seja próximo da realidade. Hoje, nas pistas e nas ruas, você não vê pneus de 13 polegadas e com laterais altas. Essa é a razão pela qual propomos algo mais moderno, e o principal é isso. E acredito que a Pirelli está começando a concordar conosco, o que é bom”, seguiu. Isso, no entanto, representaria um aumento de quase 20 kg no peso do F1 em um momento em que trabalha-se para deixá-lo mais rápido.
 
Estas duas propostas fazem parte do que a Michelin enviou à FIA. O outro item de desejo da marca, uma guerra de pneus, terá de ficar para o futuro: uma competição entre fabricantes está descartada até pelo menos 2020.
Na F-E, os pneus da Michelin já são de 18 polegadas (Foto: Divulgação)
De todo modo, Couasnon pensa que o formato existente no Mundial de Endurance é bom: a fabricante estabelece suas opções de pneus e pode substituir um deles ao longo do ano.

“Uma guerra de pneus com enormes quantias de recursos aplicados não é desejável, nem seria possível com a limitação de testes. Pensamos em regras como no endurance, em que você tem um número limitado de dias de testes e em que pode usar um coringa durante o ano. Assim, você evita que tenha gente reclamando de um pneu porque nada muda, e há alguma pressão pela competição. Uma boa solução para todos”, acrescentou.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube