Irritada com Honda, McLaren conversa com Mercedes sobre fornecimento de motor em 2018. E já recebe ‘não’

A relação conturbada entre McLaren e Honda leva a equipe de Woking a pensar em soluções emergenciais. De acordo com a revista ‘Auto Bild’, o acionista Mansour Ojjeh conversou com a Mercedes – e já ouviu um ‘não’

 
A crise existente entre McLaren e Honda atingiu um novo patamar. Depois de lavar roupa suja em público, os britânicos já começam a se articular para trocar de motor em 2018. De acordo com a revista alemã ‘Auto Bild’, o acionista Mansour Ojjeh conversou com representantes da Mercedes para iniciar uma negociação. Mas, logo de cara, a equipe britânica já ouviu o ‘não’ dos alemães.
 
A troca da Honda pela Mercedes seria um grande negócio para a McLaren, que deixaria de usar o pior motor da F1 para contar com o melhor. Especula-se que a diferença de potência entre as duas unidades gira em torno de 50 cv.
 
A negociação, mesmo sem o ‘não’ imediato da Mercedes, seria muito difícil. A McLaren tem um longo contrato com a Honda, vigente até o fim de 2021. Além disso, a Mercedes não está disposta a fornecer motores para outras equipes – os prateados já são parceiros de Williams e Force India.
A McLaren já começa a pensar em largar a Honda de vez (Foto: Twitter/Divulgação)
Por ironia do destino, a Honda substituiu a própria Mercedes como parceira da McLaren. A equipe de Woking, apesar de ter os melhores motores da F1, estava incomodada por não receber exatamente os mesmos motores que a escuderia de fábrica.
 
Assim, seguindo uma filosofia do já defenestrado Ron Dennis, a McLaren optou por um acordo com a Honda. A ideia do projeto era alcançar o patamar da Mercedes ao longo dos anos – algo que claramente não está dando certo.
 
A temporada 2017 da F1 começa em 27 de março com o GP da Austrália. Para a McLaren, esta deve ser a primeira de 20 corridas difíceis.

PADDOCK GP #69 DEBATE ABERTURA DA INDY, TESTES DA F1 E MOTOGP E LEMBRA JOHN SURTEES

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube