Magnussen mostra resignação com porta fechada na McLaren, mas diz que “amaria” correr pela Haas em 2016

Kevin Magnussen já avisou antes que não vai ficar de fora da F1 em 2016. Segundo ele, está conversando com equipes - que preferiu não citar -, mas deixou claro que está com as portas escancaradas para a Haas caso a McLaren mantenha Jenson Button

Neste momento, não faz mais sentido olhar para o outro lado: as chances de Kevin Magnussen na McLaren para 2016 não estão parecendo tão altas. Jenson Button é o favorito para ficar com a vaga que já ocupa, e Magnussen não vai ficar fora da F1 por mais um ano se depender dele. Fala-se do dinamarquês como um dos objetos de desejo da Haas para o ano de estreia da F1. Magnussen gosta da ideia.
 
Na verdade, Kevin, que debutou na Mundial em 2014, "amaria" estar no pontapé inicial do time norte-americano da Carolina do Norte. Ele acredita que o avanço em termos de conhecimento técnico que teve a oportunidade de ter o habilitam para tanto.
 
"Não vou dar nome aos times com os quais estou em contato. Tudo que vou dizer é isso: tem sido muito dito que estou nas considerações da Haas. Na verdade, Gene admitiu isso nas últimas entrevistas. Acho que ele e Günther são muito inteligentes, então claro que eu amaria correr para a Haas", afirmou. 
As portas da McLaren podem estar fechando para Kevin Magnussen, mas as da Haas estão escancaradas (Foto: Xavi Bonilla/Grande Prêmio)
"Tendo passado seis anos com a McLaren, aprendendo com alguns dos melhores pilotos e engenheiros no esporte, e por causa da oportunidade única que tive de aumentar meu conhecimento técnico esse ano, acho que estou bem colocado para ter um papel de protagonismo ajudando a estabelecer um novo time na F1", disse.
 
Magnussen quase foi à Indy no começo do ano, mas a lesão de Alonso nos testes de Barcelona obrigou o dinamarquês a correr na Austrália e não conseguir encontrar um patrocínio. O piloto segue esperando um espaço na McLaren, falando com Ron Dennis e Éric Boullier, mas parece resignado que provavelmente não vai acontecer.
 
"Estou em contato constante com Ron e Éric, e se houver uma vaga na McLaren ano que vem, então claro que seria ótimo para mim. Estamos tendo problemas esse ano, mas ainda somos um time brilhante – um time que sabe ganhar – e, acredite em mim, as vitórias vão voltar. Seria fantástico se eu pudesse ajudar o time a sair da posição que estamos para voltar ao pódio. E podemos fazer isso, definitivamente", seguiu.
 
"Mas obviamente Fernando e JB são ótimos pilotos, campeões mundiais, então você não pode culpar Ron e Éric por quererem mantê-los. Eles falaram publicamente, eu entendo isso, mas também disseram que se mantiverem os dois, não vão evitar que eu tente outra chance na F1 com outro time, e eu aprecio isso", encerrou.
 
A McLaren amarga uma temporada historicamente ruim na volta da parceria com a Honda – são apenas 17 pontos e o nono lugar no Mundial de Construtores.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube