Mais experiente, Stroll desconversa sobre liderar Williams, mas se vê muito diferente do ano de estreia: “Era meio cego”

Lance Stroll ainda não se vê completamente pronto para liderar a Williams, uma vez que é o piloto mais experiente entre os dois titulares. Mas acha que está preparado para o segundo ano na F1. O canadense se vê agora muito diferente da época da estreia: “Era um pouco cego”

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Aos 19 anos, Lance Stroll começa na Austrália sua segunda temporada na F1. E agora como o piloto mais experiente da dupla da Williams, o que por si só já gera enorme expectativa e pressão por resultados melhores. O canadense viveu um ano de estreia bastante irregular. Foi criticado no início, se envolveu em acidentes e cometeu erros. Mas também teve momentos de brilho com o pódio no Azerbaijão. Ainda assim, deixou a impressão de precisa de mais tempo. Por isso, ao recapitular o primeiro campeonato que disputou na maior das categorias, Stroll é direto: “Eu era meio cego”.

 
Questionado pelo GRANDE PRÊMIO, durante a última semana de testes em Barcelona, sobre como via seu papel de líder da Williams, o piloto relativizou o ano a mais de experiência. “Talvez essa seja a palavra errada, estamos juntos, não temos um primeiro piloto ou segundo, somos uma equipe e queremos conseguir o máximo com esse carro”, disse.
 
"Eu aprendi tanto", seguiu.
Lance Stroll se vê outro piloto um ano depois da estreia na F1 (Foto: Williams)

“Não há nada em particular que eu possa focar. É tudo, a experiência, um ano de experiência te ajuda muito. Eu era diferente no fim do ano passado do que sou já no começo desse ano. Quero ir a cada final de semana melhorando. Acredito que uma das minhas fraquezas ano passado era a classificação, tivemos pouco tempo de pista no modo classificação, e aí fica desafiador”, completou ao responder no que acha que precisa melhorar.

 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

E nessa linha de pensamento, Lance fez uma comparação com o ano passado e garantiu já ter em mente o que pretende para 2018. “O que quero dizer é que tenho um ano a mais. Vejo as coisas com mais clareza. Ano passado eu só vim, não esperava nada, não sabia nada. Não sabia como o carro seria, como pilotá-lo. Eu estava meio cego. Esse ano eu estabeleci regras para mim, coisas que tenho que alcançar”, assegurou.
 
Até por isso Stroll procura tirar de si o peso da cobrança. “Na verdade, não há pressão. Meu trabalho segue o mesmo. Tenho meu pessoal com quem trabalho, e buscamos tirar o máximo de nosso carro. Estou na mesma condição que ano passado, tudo é o mesmo. Não temos uma dupla mais experiente, mas temos um pessoal experiente”, concluiu o jovem.
 
A F1 abre a temporada neste fim de semana com o GP da Austrália, em Melbourne. E o GRANDE PRÊMIO acompanha tudo AO VIVO e em TEMPO REAL.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube