F1

McLaren mantém visual laranja e apresenta MCL34 para tentar se reerguer com jovens Sainz e Norris em 2019

Com o laranja mantido — e a marca da Petrobras —, a McLaren lançou nesta quinta-feira (14), Dia dos Namorados em boa parte do mundo, seu carro para 2019, o MCL34. Sem Fernando Alonso, a equipe de Woking confia em Lando Norris e Carlos Sainz para voltar ao topo da principal categoria do automobilismo mundial - ou, ao menos, para sair do fundo do grid

Grande Prêmio / FELIPE NORONHA, de São Paulo
Sem Fernando Alonso e apostando em jovens: essa é a McLaren que chega para a temporada 2019 da F1 buscando fugir do fundo do grid e, ao menos, diminuir a distância para o lugar com o qual se acostumou durante anos e anos: o topo.

Com o laranja mantido e detalhes em azul na traseira, como se acreditava, a equipe apresentou seu novo carro, o MCL34, na manhã desta quinta-feira (14), Dia dos Namorados em boa parte do mundo, com a promessa de que, apesar da saída do bicampeão mundial, os tempos de romantismo estarão de volta — com jovens tentando brilhar na pista e reconstruir a história da equipe.
McLaren lança o MCL34 (Foto: McLaren)
Lando Norris chega à F1 e estreia após um ano levemente decepcionante, quando perdeu a F2 para seu 'rival' britânico, George Russell, enquanto Carlos Sainz deixa a Renault para cumprir a "cota espanhola" não só da equipe, mas também da idolatria que seu país natal tinha em Alonso na F1 e no automobilismo em geral.

Um desafio com cara de ameaçador para a dupla, de 19 e 24 anos, respectivamente. Fernando Alonso, sozinho, tem quase o dobro: 37 anos. Mas Norris e Sainz não podem reclamar de falta de apoio: Stoffel Vandoorne foi demitido para que as duas vagas fossem abertas; Norris subiu para a F1 com a McLaren, da qual é protegido desde os tempos adolescentes; e Sainz passa a ser o claro primeiro piloto após anos ou em equipe menor, como a Toro Rosso, ou atrás de Nico Hülkenberg, na Renault.

 

Diretor-executivo da McLaren depois da saída definitiva do histórico Ron Dennis, Zak Brown tenta dar mais um passo com a equipe na direção de levá-la de volta a dias melhores na F1. A última vitória, por exemplo, aconteceu no fim de 2012, com Jenson Button, no GP do Brasil. E o time multicampeão do mundo não visita o pódio desde o GP da Austrália de 2014.

“O MCL34 é resultado de muito trabalho e dedicação de toda nossa equipe”, disse Brown. “Todos nós estamos comprometidos, motivados e unidos na nossa ambição de devolver a competitividade à McLaren, e o MCL34 é só o início deste processo”, comentou o executivo norte-americano.
Carlos Sainz e Lando Norris têm a missão de levar novamente a McLaren à frente na F1 (Foto: McLaren)
“Temos uma nova dupla de pilotos, que representam juntos uma nova geração de talentos na F1 e que são parte integral do time e do nosso esforço coletivo para avançar a McLaren. A família McLaren não é só o nosso pessoal e os pilotos, mas também nossos excelentes parceiros e maravilhosos fãs. Temos uma comunidade forte de parceiros que continua a crescer, e é uma incrível base de fãs, que permaneceram leais e apoiaram nossos altos e baixos, e eu gostaria de agradecê-los enquanto caminhamos para a temporada 2019”, declarou Zak. “Como sempre, nós avançamos sem medo”, concluiu.

O evento de lançamento do MCL34 já animou um pouco o fã da equipe, ao menos: A McLaren, diferentemente da maioria das adversárias até o momento, transmitiu ao vivo o lançamento, não só soltou um vídeo, ou uma foto, com imagens do novo bólido.
O novo McLaren MCL34 (Foto: McLaren)
Além disso, disponibilizou seus pilotos e dirigentes para dar entrevistas — incluindo Zak Brown, o diretor-executivo, e Gil de Ferran, diretor-esportivo. Importante para tentar mudar, aos poucos, a imagem da equipe, que vem sendo corroída pelos maus resultados.

Quanto à parceria técnica da Petrobras, a estatal brasileira indica quebra de acordo com a McLaren, conforme apurado pelo GRANDE PRÊMIO, da aliança iniciada em 2018 e que tem como objetivo principal o desenvolvimento e fornecimento de combustíveis e lubrificantes.

A revisão na política de patrocínios e planejamento de publicidade promovida pelo novo Governo Federal faz com que o patrocínio corra "seríssimo risco" de ser encerrado. 
A Petrobras segue tendo suas marcas estampadas no carro da McLaren (Foto: McLaren)
No entanto, as marcas Petrobras e Lubrax apareceram ao lado das outras patrocinadoras da McLaren estampada não apenas no MCL34, como também nos capacetes de Carlos Sainz e Lando Norris, apresentados horas antes do lançamento, e também nos uniformes dos funcionários.


O sucessor de Alonso

Sainz chegou à McLaren para ocupar o lugar que foi, nos últimos três anos, do seu compatriota e grande ídolo, Fernando Alonso. Com a missão de ser o único espanhol na F1, Carlos também tem como tarefa liderar uma das mais gloriosas equipes do automobilismo mundial, posto que assume ainda com 24 anos.

"Estou muito ansioso para os testes e empolgado em finlamente correr com as cores da McLaren. Sei que todos na fábrica vêm trabalhando muito ao longo do inverno para que possamos nos preparar para este ano, e acho que a equipe fez um trabalho fantástico na pintura do MCL34", comentou o piloto, nascido em Madri, que manteve o numeral #55 no seu carro no seu primeiro ano correndo sem a marca da Red Bull no capacete.

"Estive especialmente focado na minha preparação neste inverno. Novas rotinas de treinamento, nova direta, sessões muito específicas no simulador e um tempo extra com os engenheiros para desenvolver e alinhar certos aspectos do carro às minhas preferências. A fábrica tornou-se minha segunda casa desde que voltei para a Inglaterra e todo mundo na equipe está caminhando na mesma direção. Sabemos da grande tarefa que temos pela frentee, e somos os primeiros a avaliar onde nós estamos depois dos testes. Mal posso esperar para começar a correr  e acelerarmos juntos", completou Sainz.

 

O prodígio britânico

Ao mesmo tempo em que Sainz Jr. chega para ser o líder, Lando Norris vai fazer sua estreia na F1 com a McLaren, que visa lapidá-lo como um valor para o futuro. Sem colocar tanta pressão, a equipe busca aprender com os erros cometidos com Stoffel Vandoorne, que chegou cercado de expectativa, mas decepcionou e foi dispensado ao fim do ano passado.

“Próxima parada, Barcelona. Sério, mal posso esperar para entrar no carro e testar. Tenho trabalhado duro durante o inverno para meu passo na F1. Passei muito tempo com a equipe na fábrica também, aprendendo o máximo possível para chegar pronto para a temporada 2019”, declarou o jovem de 19 anos.
 
“É meu sonho chegar à F1 desde que era um menino. Acumulei muita experiência no carro durante os treinos livres em 2018 e agora estou muito ansioso para fazer minha corrida de estreia com a McLaren. O MCL34 parece ótimo, e agora só quero tratar de pilotá-lo”, complementou.