McLaren reclama de zona de DRS “curta demais” em Miami: “Muito difícil ultrapassar”

Andrea Stella, chefe da McLaren, ainda reforçou que à medida que os carros são desenvolvidos, fica cada vez mais difícil perseguir o piloto que está à frente

O GP de Miami foi a corrida mais interessante da temporada 2024 da Fórmula 1 e teve a vitória da McLaren com Lando Norris partindo da quinta colocação. Mas ainda assim, Andrea Stella, chefe da equipe, acredita que o circuito é “muito difícil de ultrapassar” e sugeriu que as zonas de abertura de DRS deveriam ser um pouco maiores.

Apesar de Norris ter vencido após sair do meio do pelotão, o piloto britânico ficou boa parte da corrida preso atrás da Red Bull de Sergio Pérez e se beneficiou da entrada do safety-car para fazer uma parada nos boxes e voltar para a pista na primeira colocação. Além disso, ao longo do fim de semana, Lewis Hamilton teve grandes dificuldades para superar os carros da Haas, enquanto Carlos Sainz travou uma batalha das mais complicadas com Oscar Piastri.

Relacionadas


O chefe da McLaren acredita que algumas dessas dificuldades se deram porque o trecho com DRS não é o suficiente para recuperar o tempo perdido nas curvas de baixa velocidade.

“Esperávamos que fosse mais fácil ultrapassar em Miami, então ficamos surpresos ao ver que era tão difícil. Acho que a zona DRS parece um pouco curta demais, porque você não tem tempo para recuperar o tempo da volta ou a distância que você perde quando está no trecho de baixa velocidade. Mesmo no trecho de alta velocidade, são duas áreas [lentas] que precedem a reta longa. Parece que se perde muito tempo e não dá para recuperar isso na reta”, apontou o chefe da McLaren.

Chefe da McLaren sugeriu zonas de DRS maiores em Miami (Foto: McLaren)

Stella ainda sugeriu que a Fórmula 1 está voltando a sofrer com os problemas de turbulência e que os pilotos estão com mais dificuldades de perseguir o carro que vai à frente. Apesar de a situação estar pior quando comparada a 2022, o cenário é muito mais positivo do que foi na geração anterior de carros.

“Existe uma solução fácil para isso, que é o DRS. Mas então surge o fato de que com o desenvolvimento dos carros, parece que está cada vez mais difícil seguir quem está à frente. Não acho que seja tão ruim como antes, mas parece ser mais difícil do que esperávamos com essa geração de carros”, finalizou o chefe da McLaren.

Fórmula 1 retorna neste fim de semana, de 17 a 19 de maio, em Ímola, para o GP da Emília-Romanha. E o GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades AO VIVO EM TEMPO REAL.

:seta_para_frente: Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2
:seta_para_frente: Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

Chamada Chefão GP Chamada Chefão GP 🏁 O GRANDE PRÊMIO agora está no Comunidades WhatsApp. Clique aqui para participar e receber as notícias da Fórmula 1 direto no seu celular! Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.