F1

Meteórico, Albon dá salto incrível com Red Bull. Mas põe futuro a perder

Alexander Albon vai para uma equipe de ponta ainda no meio da temporada de estreia na F1. Só que talvez seja um presente de grego: sob a luz dos holofotes e sem preparação adequada, o tailandês pode estar em vias de ver a carreira descarrilhar

Grande Prêmio / VITOR FAZIO, de Porto Alegre
Alexander Albon vive um sonho. O piloto que no começo de 2018, sem dinheiro, teve que pedir penico para disputar uma temporada da Fórmula 2 precisou de apenas um ano e meio para chegar a uma equipe de ponta na Fórmula 1. A ida de Daniel Ricciardo à Renault, aliada ao fracasso de Pierre Gasly como substituto, permitiu que o tailandês chegasse aos céus do automobilismo em tempo recorde, agora assinando com a Red Bull. Foi rápido, o que é bom. O que não é bom é que talvez tenha sido rápido demais.
 
É que tudo indica que a Red Bull agiu por impulso. O piloto que foi contratado pela Toro Rosso de forma reticente ao fim de 2018, depois até da enésima contratação de Daniil Kvyat, parece ter virado uma solução mágica em um piscar de olhos. Não que o tailandês não seja bom – muito pelo contrário. Só que a postura de antes não combina com a atual, quando Christian Horner e amigos precisaram dar um jeito de achar um tapa-buraco para Gasly.
 
No papel, Albon sobe para a Red Bull para fazer uma queda de braço com o próprio Gasly. A equipe vai comparar o rendimento dos dois antes de decidir quem vai acompanhar Max Verstappen em 2020. Na prática, é difícil fazer essa comparação de forma justa. É que Alex não vai ter nem de perto a mesma preparação de Pierre, que contou com uma pré-temporada inteira e abusou do simulador em Milton Keynes. Por mais que exista a chance real de o novo contratado ter mais velocidade, vai levar algum tempo até isso ser aproveitado ao limite.
Max Verstappen e Alexander Albon, agora companheiros de equipe (Foto: Reprodução/Twitter)
E aí Albon já fica mais pressionado, e de forma desnecessária. Isso enquanto seu principal parâmetro, Verstappen, vive a melhor fase da carreira. Um resultado negativo no GP da Bélgica já vai bastar para o carniceiro paddock da F1 traçar paralelos entre os novo e o velho segundo piloto. Que Alexander é a mesma coisa que Gasly, que a troca foi perda de tempo, que a Red Bull só tem um piloto de verdade...
 
Se a Red Bull tivesse esperado um pouco mais antes de subir Albon, a situação seria completamente diferente. Imagine um cenário em que a Red Bull, cansada de Gasly, sobe Kvyat como tapa-buraco no segundo semestre. Alexander teria tempo de sobra para fazer seguir aprendendo na Toro Rosso, gastar o simulador e ainda participar de testes reais. Não seria um cenário muito mais adequado do que ser tratado como o bombeiro do incêndio que ronda o outro lado da garagem da Red Bull?
Alexander Albon foi promovido, mas talvez cedo demais (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)
Vale lembrar que, seguindo o rumo natural das coisas, Albon já teria chances de alcançar feitos grandiosos na F1. A parte mais difícil, que foi se destacar na F2 e deixar um destino de piloto da Nissan na Fórmula E para trilhar o rumo da F1, já foi cumprida. Com tempo, o tailandês poderia muito bem ser que a Red Bull quer. Um piloto competente e que, apesar de não ser tão espetacular quanto Verstappen, formaria uma dupla das mais fortes. Isso tudo agora entra no campo do imaginário: ninguém é capaz de afirmar que, dentro de seis meses, Alex ainda será cotado do mesmo jeito. O teste ao qual o tailandês foi exposto pode ser cruel demais.
 
No fim das contas, ainda é verdade que os grandes do tailandês conseguem se virar mesmo em condições adversas. Lewis Hamilton brigou por título no ano de estreia e Verstappen venceu o primeiro GP pela Red Bull. Só que talvez Albon não seja tão extraclasse assim – e não há nada de errado com isso. O que é errado é supor que todo mundo que veste o macacão da marca de energéticos tem a obrigação de estar pronto para o que der e vier. Com essa postura, quem acaba falhando e perdendo não são só os pilotos, e sim os imediatistas Christian Horner e Helmut Marko, novamente criando confusão onde não deveria ter.


Paddockast #28
INTERROGANDO Flavio Gomes: O Boto do Reno


Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.