Diretor de provas aprova demora em decisões na Fórmula 1: “Precisamos ter certeza”

Michael Masi rechaçou alegações de que punições dos comissários estariam demorando, com o argumento de que é necessário estudar decisões antes de tomá-las

F1: HAMILTON x VERSTAPPEN: DISPUTA INTENSA NA F1 A 2 PROVAS DO FIM | Paddock GP #269

Nas últimas duas corridas disputadas no mundial de F1, decisões dos comissários da FIA alteraram os grids e causaram algumas polêmicas. A principal delas girou em torno da demora para que as decisões saíssem, em cenas que se repetiram no Brasil e no Catar — e envolvendo os dois candidatos ao título do Mundial de Pilotos de 2021, Lewis Hamilton e Max Verstappen. Diretor de provas da FIA, Michael Masi rechaçou que o processo demore mais do que o necessário, e lembrou que um dos pedidos que mais recebeu foi para que as decisões fossem melhor detalhadas, o que demanda tempo.

“Acho que você precisa lembrar que uma das coisas — e digo que todos ao redor já pediram por isso — é descrever melhor as decisões, ao invés de simplesmente dizer ‘este é culpado’ ou ‘este é inocente'”, disse o diretor de provas ao portal britânico Motorsportweek. “Você quer o máximo de entendimento possível do processo, caso existam outros casos similares”, explicou.

No Brasil, Hamilton foi chamado à sala dos comissários após a classificação de sexta-feira, por um possível problema com o DRS. A decisão veio apenas no sábado, após o último treino livre, com a desclassificação do britânico — que largou da última posição na corrida sprint. Após a corrida em Interlagos, a Mercedes requisitou o direito de revisão da decisão que não puniu Verstappen pela disputa com o inglês, em nova decisão demorada que só saiu na sexta, quando a F1 já estava no Catar.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Max Verstappen acabou punido no GP do Catar e perdeu cinco posições no grid de largada (Foto: Red Bull/Reprodução)

Em Losail, a última das polêmicas: Verstappen e Bottas foram punidos por desrespeitarem bandeiras amarelas, em decisão que só foi anunciada menos de duas horas antes do início do GP do Catar. Masi destacou a quantidade de detalhes envolvidos em uma decisão como essa para justificar a demora na publicação das punições.

“Os comissários tentam e escrevem suas decisões — foi assim no Brasil, no Catar, ou em qualquer outro que eles tiveram influência”, afirmou. “Existe um grande nível de detalhes, e isso leva tempo para esboçar, reescrever, etc. Podemos dar a decisão, e isso é uma parte. A outra parte é a necessidade das equipes de receberem a oportunidade de apresentar seus casos”, pontuou.

Outro investigado no Catar foi Carlos Sainz, da Ferrari, que acabou inocentado pelos comissários. Apesar de o espanhol também não ter visto as bandeiras amarelas, preferiu diminuir a velocidade na pista por conta própria ao ver o carro de Pierre Gasly parado, e concluir que a bandeira amarela seria acionada — e o argumento foi sustentado pela telemetria do carro.

“Acho que às vezes, os comissários ficariam felizes em apenas escrever ‘essa pessoa infringiu as regras e fim da história'”, opinou. “Mas aí é só voltarmos alguns anos que vamos ver a maioria de vocês [jornalistas] pedindo por uma melhor descrição”, ressaltou.

Polêmica disputa no Brasil entre Max Verstappen e Lewis Hamilton motivou (Vídeo: Fórmula 1)

O diretor de provas explicou o trabalho que teve para avaliar os incidentes, realizando investigações em todas as câmeras dos carros que passaram para o top-10. De acordo com ele, é necessário ter absoluta certeza dos fatos, para que decisões injustas não sejam tomadas.

“Você olha para onde os carros estavam na pista e observa todas as câmeras de cada um dos carros que estavam no top-10, foi o que eu fiz”, explicou Masi. “Então você olha os dados e isso obviamente custa tempo, você precisa ter certeza de tudo o que possui. Então, quando finalmente conseguimos, determinamos quem fez o quê, o que apareceu e o que não apareceu, reportamos isso para os comissários e eles fazem as convocações”, encerrou.

A Fórmula 1 volta a acelerar dentro de duas semanas, com a disputa do primeiro GP da Arábia Saudita da história da categoria, marcado para acontecer no primeiro final de semana de dezembro, entre os dias 3 e 5.

O resumo com os melhores momentos do GP do Catar de F1 (Vídeo: F1)
Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar