Na Garagem: Berger ganha na Austrália e dá última vitória à McLaren Honda

Despedindo-se da McLaren para voltar à Ferrari em 1993, Gerhard Berger deu à equipe a última vitória da gloriosa parceria com a Honda. Foi há 23 anos, em Adelaide, no GP da Austrália. Corrida também foi marcada por batida infantil de Ayrton Senna em Nigel Mansell

Foi exaltando as glórias do passado que a McLaren e a Honda retomaram em 2015 uma das parcerias mais vitoriosas da história do Mundial de F1. Mas a última vitória desta combinação — ou melhor, o último pódio — continua sendo o de Gerhard Berger no GP da Austrália de 1992, há exatos 23 anos.

 
Berger, naquele fim de semana, despedia-se da McLaren após três temporadas. Em 1993, o austríaco voltaria a correr para a Ferrari.
 
Na classificação, Nigel Mansell fez a 14ª pole em 16 corridas. Na corrida, manteve-se em primeiro, porém sem conseguir se distanciar de Ayrton Senna. A perseguição durou até o fim da 19ª volta. Na aproximação para a última curva, o inglês e o brasileiro se atrapalharam, e o resultado foi que o tricampeão atingiu em cheio a traseira do ‘Leão’. Ambos abandonaram. “Ele freou bem mais cedo do que eu esperava, tentei desviar, mas perdi a traseira do carro e foi impossível evitar o choque”, explicou Senna.
Gerhard Berger se despediu da McLaren após a temporada 1992 (Foto: Forix)
Dali em diante, a briga pelo terceiro lugar passou a valer a vitória. Riccardo Patrese assumiu a ponta com Berger e Michael Schumacher em seu encalço. O italiano liderou até abandonar com um problema na pressão de combustível após a 50ª volta.
 
Berger herdou o primeiro posto e partiu para vencer com apenas 0s741 de vantagem para a Benetton de Schumacher. Martin Brundle, o último a ficar na volta do líder, completou o pódio com a outra Benetton. A associação entre McLaren e Honda terminou após 80 GPs, 44 vitórias e 53 pole-positions, além dos títulos de Pilotos e Construtores de 1988 a 1991.
 
Foi a segunda vitória de Berger no ano, que também havia vencido o GP do Canadá. Na ‘Folha de S.Paulo’ do dia seguinte, a manchete: “Berger vence último GP do pior Mundial da história”.
 
Mansell, naquele ano, ganhara o título no GP da Hungria, antecedência nunca antes vista. O que levou a F1, naturalmente, a ser bastante criticada. Terminado aquele ano, foi criado um ‘conselho de crise’ para tentar ‘salvar’ a categoria. Um dos objetivos era impedir que Mansell se mudasse para a Cart; outro, arranjar um cockpit para Senna, que não havia renovado com a McLaren para 1993.
 
Outro tópico da crise, motivada por esse domínio de uma equipe: pensar medidas para reduzir os custos. Esperem um instante… Essa crise tem alguns pontos que são vistos com frequência no noticiário atual!
Pôster oficial do GP da Austrália de 1992 (Foto: Reprodução)


document.MAX_ct0 ='';
var m3_u = (location.protocol=='https:'?'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?':'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random()*99999999999);
document.write ("”);
//]]>–>

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube