“Não é esporte”: Grosjean critica F1 e diz que pode se aposentar ao final da temporada

Dono de 10 pódios, Romain Grosjean parece entender que talvez deixe a F1 sem vitórias. E já começa a cogitar a aposentadoria, mesmo que enxergue novos espaços na categoria a partir de 2021

Em uma das entrevistas coletivas mais fortes da Fórmula 1 nos últimos tempos, Romain Grosjean fez críticas, cogitou situações e fez até, praticamente, apostas sobre o futuro da categoria.

Ao final do segundo dia de testes em Barcelona, na última quinta-feira (20), o piloto da Haas sentou na sala da equipe para falar com os jornalistas – e esteve inspirado. 

Tudo começou com uma pergunta sobre se ele estaria pronto para deixar a F1 sem vitórias em sua carreira. Foi a deixa para Grosjean mostrar toda sua revolta com a atual situação da categoria, dividida em 'F1 A' e 'F1 B'.

Romain Grosjean (Foto: Haas)
Paddockast #49
RAÍ CALDATO: O ARTISTA PREFERIDO DE LEWIS HAMILTON

Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM


"Pode acontecer…Pode acontecer [de nunca triunfar]… Eu fui sortudo o suficiente para estar 10 vezes no pódio. Acho que deveria ter vencido dois GPs, mas as coisas não deram certo para mim", começou – ele, de fato, tem essa quantidade de pódios: entre 2012 e 2015 ficou este exato número de vezes no top-3 com a Lotus.

"Chamamos a Fórmula 1 de esporte, dizemos que é um esporte. Mas não tenho certeza disso. É um show. Esporte é para ser justo, e a Fórmula 1 não é justa", seguiu, começando as fortes críticas.

Romain Grosjean (Foto: Haas)

A partir de então, o francês comparou a categoria com outro esporte – e fez analogia dos carros da F1 com raquetes de tênis: "Pilotar um carro de F1 é algo muito físico. É duro, demanda muita coisa, precisa de muito esforço de muita gente."

"Mas é como pedir para Roger Federer ir jogar em Roland Garros com raquetes de pingue-pongue. Ele não terá chance. Você chamaria tênis de esporte se os tenistas não pudessem usar as mesmas raquetes? Se um lado da quadra fosse maior do que o outro?", comparou.

Em seguida, mesmo sem ser questioando sobre, deu a deixa: pode se aposentar ao fim de 2020:  "Pode acontecer de que eu nunca ganhe uma corrida. Vou procurar oportunidades no futuro, o contrato de muitos pilotos termina ao final do ano. Há pilotos que, também, podem se aposentar."

"Acho que essa é uma decisão que vem de cada um. Para mim, ela pode vir rápido. Se ao final da temporada eu não sentir tanta paixão para com o esporte, se não quiser mais viajar o mundo e estar longe da minha família, eu posso me aposentar, e isso pode acontecer com outros pilotos", declarou.

Romain Grosjean (Foto: Haas)

Por fim, resumiu sua situação com o exemplo de Daniel Ricciardo, que vencia corridas na Red Bull, mas que não brilhou em seu primeiro ano com a Renault: "Veja Ricciardo, ele ainda não conseguiu nem um pódio na Renault. Mas ele venceu corridas antes, é um grande piloto, esteve em pódios. Tudo depende da oportunidade que cai em suas mãos", concluiu um polêmico Grosjean.

GRANDE PRÊMIO cobre AO VIVO, em TEMPO REAL e 'in loco' os testes de pré-temporada da F1 em Barcelona com o repórter Vitor Fazio. Siga tudo aqui.

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube