“Otimista”, diretor da F1 planeja temporada ainda com “17 ou 18 corridas”

Ross Brawn, diretor-esportivo da F1, sente que ainda será possível ter um calendário 2020 dos mais cheios. O dirigente acredita que será possível fazer ao menos 17 GPs, mesmo encarando a pandemia do coronavírus

O começo da temporada 2020 da Fórmula 1 se tornou um pesadelo. As quatro corridas iniciais – GPs da Austrália, do Bahrein, do Vietnã e da China – foram canceladas ou adiadas pela pandemia do coronavírus, e a categoria prevê o campeonato começando apenas em maio. Mesmo com tanta incerteza, o diretor-esportivo da F1 Ross Brawn, mostra confiança: provavelmente será possível realizar ao menos “17, 18 corridas” no ano.
 
Brawn deu a informação ao responder sobre os riscos de não cumprir o mínimo de provas necessárias para tornar a temporada 2020 oficial – oito. O dirigente indicou que o panorama deve permitir bem mais, mesmo que seja difícil dar um número preciso.
 
“Nós não esperamos que chegue a esse ponto [realizar menos de oito GPs], mas estamos em território desconhecido”, disse Brawn, questionado pela TV britânica Sky Sports. “Eu estou bem otimista de que podemos ter um bom campeonato de 17, 18 corridas, ou até mais. Acho que podemos apertar tudo, mas isso depende de quando a temporada pode começar”, destacou.
O GP da Austrália deveria abrir a temporada, mas foi vítima do coronavírus (Foto: Mercedes)
Um campeonato de 17 provas representaria a eliminação de cinco das 22 originalmente previstas. O GP da Austrália, ao menos no papel dado por cancelado, e o GP da Espanha, que já tanto sofreu para ser confirmado em 2020, são favoritos iniciais na lista de limagem.
 
A respeito das demais, Brawn volta a destacar a incerteza e instabilidade do calendário. Tanto que talvez seja necessário adotar formatos inéditos, com menos atividades de pista, para alocar tantas provas em curto espaço de tempo.
 
“Uma coisa sobre a qual começamos a falar é ter fins de semana de dois dias [de atividades] e assim, se tivermos três corridas seguidas com dois dias em cada, isso vira uma opção. Acho que o que precisamos das equipe esse ano é flexibilidade. Eles precisam nos dar uma margem para fazer essas coisas porque estamos em circunstâncias inusitadas e porque precisamos garantir que a temporada dê uma boa oportunidade financeira às equipes. Não queremos as equipes penando porque não conseguimos correr ou porque alguém não quer três fins de semana seguidos”, encerrou.

 

Paddockast #52
PREVISÕES CERTEIRAS E OUSADAS PARA F1 2020

Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube