Palmer ganha chance na ‘equipe GP2 da F1’ e forma 13ª família entre pais e filhos pilotos no grid

Jolyon, filho de Jonathan, vai levar a família Palmer a uma posição invejável na história da F1: um dos únicos 13 casos de herdeiros que seguiram os passos do pai e chegaram ao certame. Além disso, a contratação do inglês mostra um padrão da Lotus – a equipe chamou um campeão da GP2 para substituir outro e formar dupla com um terceiro

A contratação de Jolyon Palmer como titular da Lotus na temporada 2016 tem significados especiais para a F1. O pupilo é o 13º filho de ex-piloto da categoria a seguir os passos do pai – no caso Jonathan Palmer, coadjuvante da categoria na década de 1980.
 
Todavia, Jolyon não chegará ao topo do automobilismo com um sobrenome recheado de glórias. Seu pai carregou o fardo de pilotar alguns dos piores carros da F1 de sua época, como Zakspeed e RAM. No melhor dos dias, pilotou uma decadente Tyrrell, nunca indo ao pódio.
Jolyon Palmer seguiu os passos do pai, garantindo sua vaga na F1 (Foto: Beto Issa)
Antes de Palmer, a última família a conseguir o feito foi a Verstappen – que contou com Jos e Max na F1. O clã Magnussen – com Jan e Kevin – também alcançou a marca recentemente, na temporada 2014.
 
Mas os três exemplos citados definitivamente não são os mais bem sucedidos.  Os Hill, com Graham e Damon, foram os únicos a conseguir o título mundial com ambos familiares. Famílias com apenas um campeão também existem: Mario e Michael Andretti; Gilles e Jacques Villeneuve; Keke e Nico Rosberg; Nelson e Nelsinho Piquet.
Jonathan Palmer pilotou alguns dos piores carros de sua época – como a Zakspeed (Foto: Reprodução)
Outro significado da contratação de Palmer é a prova da fixação da Lotus por campeões da GP2. Jolyon, triunfante em 2014, substituirá Romain Grosjean, que alcançou o feito em 2011. Pastor Maldonado, o novo companheiro de equipe do inglês, levantou a taça em 2010.
 
Mesmo contando com jovens pilotos, a Lotus sofre para se recuperar após a saída de um veterano – Kimi Räikkönen, que partiu para a Ferrari em 2014. Hoje em crise econômica e prestes a ser comprada pela Renault, a Lotus não passa de uma equipe do meio do pelotão.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube