Piloto que deu lugar a Schumacher há 24 anos, Gachot patrocina ‘atual Jordan’ com seu energético

Bertrand Gachot era piloto da Jordan em 1991 quando foi preso após uma briga com um taxista. O belga não conseguiu voltar à equipe, nunca mais teve destaque na F1 e resolveu ser empresário. Nesta quinta (12), anunciou um acordo de patrocínio de seu energético, o Hype, com a Force India. Justamente a sucessora da Jordan

Foi em 1991 que Bertrand Gachot se viu com a maior chance da carreira na F1. Piloto talentoso, o belga ganhou a chance de dar um salto na carreira ao topar entrar no sonho de Eddie Jordan e sua nova equipe. Aquele carro verde patrocinado pela 7-Up e que tinha já falecido Andrea de Cesaris no outro lado deu o que falar naquela temporada. Sofreu no início com a falta de confiabilidade, mas o 191 tinha lá seu valor.

Gachot começou a andar regularmente na zona de pontos — que até então premiava os seis primeiros colocados. O piloto chegou em quinto no GP do Canadá e obteve dois sextos lugares. Na Hungria, fez a volta mais rápida. E quando se preparava para disputar seu GP, eis que apareceu um mandado de prisão. Gachot havia tido uma briga com um taxista e espirrou nele um gás. Foi parar no xilindró por dois meses.

A Jordan teve de procurar um substituto às pressas. O visionário Eddie, também por força do dinheiro que levaria da Mercedes, escolheu um tal Michael Schumacher. O resto é história.

Bertrand Gachot com a Jordan em 1991 (Foto: Getty Images)

Bem, Gachot tentou voltar à Jordan no GP do Japão, mas foi impedido. Até correu pela Larrousse aquela prova, mas nunca mais teve uma nova oportunidade. Aí resolveu largar a carreira e se concentrou em negócios que lhe permitissem estar envolvido com a própria F1 e o automobilismo em geral.

A Jordan sobreviveu até 2005 aos trancos e barrancos. No meio da temporada, Eddie encontrou uma interessada, a Midland, que comprou a escuderia, manteve o nome até o fim do ano e deu fim à gloriosa esquadra. Com o passar do tempo, a Midland virou MF1 e Spyker. Aí em 2008, Vijay Mallya apareceu com um caminhão de dinheiro da Índia para dar vida à primeira equipe daquele país. Nascia, pois, a Force India.

A Force India teve lá seus melhores momentos, mas ultimamente vive na mesma situação que a Jordan em seus últimos dias: na busca incessante por grana. Recebeu recentemente um adiantamento da receita da F1 depois de reclamar da má divisão dos lucros. Seu carro foi o que mais atrasou dentre aqueles que treinaram na pré-temporada, só aparecendo na última semana em Barcelona. Mal ou bem, estão na Austrália para a abertura do campeonato.

Nico Hülkenberg com a Force India, ex-Jordan (Foto: Xavi Bonilla/Grande Prêmio)

Mas hoje, a equipe soltou um comunicado anunciando um novo patrocinador, o energético Hype Energy. Seu proprietário? Bertrand Gachot.

"Estou muito orgulhoso e ansioso com essa parceria. E mais orgulhoso ainda por a Hype patrocinar a equipe onde eu corri há mais de 20 anos", declarou o belga. "Eu adorei trabalhar com os membros desta equipe e quero muito encontrar todos novamente", completou.

Jordan é hoje comentarista da BBC. Ele e o empresário Gachot vão se reeencontrar nos paddocks da vida 24 anos depois.

QUEM É QUEM

Na terceira parte do Guia F1 2015, o GRANDE PRÊMIO faz um raio-X de cada uma das dez equipes do grid para o Mundial que começa neste fim de semana na Austrália, na pista de Melbourne, e que marca a 66ª temporada da história da F1.

O especial também traz as fichas completas dos 22 (!!!) pilotos que vão disputar o título mundial nas 19 ou 20 corridas previstas pelo calendário deste ano. 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube