Por inscrições na temporada 2018, equipes pagam R$ 54 milhões à FIA. Campeã, Mercedes desembolsa R$ 15 mi

Na F1, antes de receber pelos direitos comerciais, as equipes têm de pagar pela inscrição a cada início de temporada. E quem pontua mais paga a maior fatia do bolo. Assim, a Mercedes vai bancar cerca de R$ 15 milhões dos mais de R$ 54 mi que todos os times vão pagar junto à FIA (Federação Internacional de Automobilismo) para fazer parte do grid do Mundial em 2018

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

A FIA (Federação Internacional de Automobilismo), órgão regulador do Mundial de F1, já sabe quanto vai receber das dez equipes categoria pela taxa de inscrição para a disputa da temporada 2018. Ao todo, a entidade vai desembolsar cerca de € 13,6 milhões, ou R$ 54 milhões na atual cotação. A Mercedes, tetracampeã mundial dos Construtores, vai responder pela maior parte desta fatia, cerca de R$ 15 milhões.

 
Os cálculos para o recebimento das taxas de inscrição são simples. Cada uma das dez equipes do grid tem uma taxa fixa quase irrisória para os padrões da F1: € 431,6 mil, ou pouco mais de R$ 1,7 milhão. 
 
A cota variável diz respeito à quantidade de pontos que cada equipe somou na última temporada. Assim, como a Mercedes marcou 668 pontos, é a tetracampeã quem gasta mais no total com a sua inscrição.
Definidos os valores que cada equipe vai pagar pela inscrição no Mundial de F1 em 2018 (Foto: AFP)
Cada ponto vale para a FIA, em termos de taxa de inscrição, € 5.180, ou R$ 20,5 mil. Assim, a Mercedes vai gastar € 3,46 milhões para se inscrever no Mundial de 2018. A Ferrari, vice-campeã mundial, deu um salto bastante relevante em termos de performance, e isso se reflete também no valor a pagar à FIA, quase R$ 2 milhões a mais em relação a 2016.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

A escuderia italiana vai pagar um total de € 2,68 milhões, ou R$ 10,65 milhões à FIA. A Red Bull, terceira colocada no Mundial de Construtores de 2017, vai ter de desembolsar quase R$ 8 milhões. Quarta melhor equipe da F1 pelo segundo ano consecutivo, a Force India, por sua vez, terá de pagar à FIA um montante total de € 1,23 mi, ou R$ 4,92 milhões.

 
Na lanterna da tabela, a Sauber, que marcou apenas cinco pontos na temporada 2017 da F1, todos eles registrados por Pascal Wehrlein, é a equipe que vai gastar menos com a sua inscrição: meros € 453 mil, ou R$ 1,8 milhão aos cofres da entidade presidida por Jean Todt.
EM BUSCA DO SONHO DA F1

PIETRO FITTIPALDI REVELA QUE NEGOCIOU COM A SAUBER PARA 2018

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height:
0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute;
top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube