Por restrições da pandemia, abertura da Fórmula 1 2021 na Austrália fica em xeque

Segundo informações do site RaceFans e da revista britânica Autosport, o GP da Austrália de 2021, marcado para 21 de março, corre risco de ser transferido para o fim do calendário, o que levaria a abertura da temporada para o Bahrein. O país oceânico impôs normas rígidas para conter a pandemia, como a imposição de uma quarentena de 14 dias para qualquer pessoa que desembarque em solo local

Há grande risco de a temporada 2021 do Mundial de Fórmula 1 não começar na data prevista. Tudo em razão dos efeitos e das restrições provocadas pela pandemia que eclodiu no ano passado. Segundo o site inglês RaceFans e a revista Autosport, o GP da Austrália, previsto para os dias 19 a 21 de março, fim de semana agendado para abrir o campeonato, deve ser adiado, com a decisão a ser tomada nos próximos dias. Desta forma, o início da temporada ficaria para uma semana depois com o GP do Bahrein, em Sakhir. De acordo com as publicações, a ideia é que a corrida em Melbourne seja realocada em alguma data vaga no segundo semestre.

Mesmo diante da incerteza proporcionada pela pandemia, ainda que a vacinação já esteja em curso em mais de 50 países do mundo, a Fórmula 1 definiu o calendário para 2021 com um recorde de etapas, 23 GPs, e a volta das provas que não foram realizadas no ano passado, como os GPs de Mônaco, Brasil, Estados Unidos, México, Japão, Holanda, China, Singapura, Azerbaijão, Canadá, França e a própria Austrália. Há ainda um ponto de interrogação sobre a quarta etapa, marcada para 25 de abril, ainda sem local definido.

O GP da Austrália de 2021 corre sério risco de não acontecer em 21 de março (Foto: Ferrari)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

O ponto é que o governo australiano impõe uma quarentena de 14 dias a qualquer pessoa que desembarque no país. O Australian Open, primeiro torneio de grand-slam de tênis da temporada, vai ser realizado excepcionalmente em 2021 entre os dias 8 e 21 de fevereiro — geralmente, o campeonato tem início em janeiro —, e todos os competidores devem aderir à quarentena de duas semanas na chegada à Austrália “para garantir a segurança de todos”.

No momento, segundo dados atualizados da Universidade Johns Hopkins, a Austrália tem o registro de 28.504 casos positivos para Covid-19 — sendo 279 ativos — e 909 mortes no total.

A venda de ingressos para o GP da Austrália deste ano ainda não começou, enquanto as obras de montagem do circuito em Albert Park geralmente acontecem no fim de janeiro, mas dependem da decisão do governo local em conjunto com a Fórmula 1 sobre a realização ou não da corrida em março.

Ainda no ano passado, a organização das 12 Horas de Bathurst, uma das mais importantes provas de endurance do planeta, disputado no circuito de Mount Panorama, anunciou o cancelamento da edição de 2021, prometendo a realização da prova novamente em 2022.

O GP da Austrália de 2020 foi cancelado minutos antes do horário previsto para o início do treino livre. A notícia sobre o resultado positivo para Covid-19 de um funcionário da McLaren acendeu o sinal de alerta da Fórmula 1. Além da escuderia britânica, que já havia se retirado da corrida, outras seis equipes — Mercedes, Ferrari, Haas, Alfa Romeo, Williams e Renault — decidiram não correr, enquanto Red Bull, AlphaTauri e Racing Point foram votos vencidos.

Já a organização do GP do Bahrein disponibilizou os ingressos à venda, confiando em poder realizar a corrida no fim de março com a presença do público. Sakhir também desponta como provável palco dos testes de pré-temporada, nos três primeiros dias do terceiro mês, embora Barcelona, local tradicional onde as equipes se preparam no inverno, ainda tenha chance de receber a sessão.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube