Prévia: abalado, Hamilton chega ao Japão podendo ser nocauteado por Rosberg

Em teoria, Lewis Hamilton é o favorito à vitória em Suzuka porque carrega um retrospecto recente bem mais positivo em relação ao seu rival, Nico Rosberg. Vencedor nos dois últimos anos no Japão, o tricampeão do mundo tem a chance de ainda se manter na briga pelo título, mas terá de sair das cordas e reagir, sobretudo no jogo psicológico, uma vez que se mostrou abalado após ter abandonado o GP da Malásia

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

A expectativa em torno da 17ª etapa da temporada 2016 da F1 é muito grande justamente por tudo o que aconteceu (e o que não aconteceu) há menos de uma semana, em Sepang. A inacreditável quebra no motor de Lewis Hamilton no GP da Malásia lhe tirou uma vitória certa e colocou Nico Rosberg muito perto do seu primeiro título. Mas a fatura está longe de ser liquidada, em que pese a gigante vantagem do alemão, 23 pontos à frente do seu rival. O fã da F1 já teve a chance de ver viradas e reviradas, de modo que não dá para descartar nem mesmo outra reviravolta neste ano bastante empolgante, ainda que polarizado entre os dois prateados.
 
É por isso que o GP do Japão é aguardado com tanta expectativa. Suzuka é um circuito que, ao menos em teoria, favorece Hamilton. O britânico tem um retrospecto recente positivo no traçado nipônico, com duas vitórias nos dois últimos anos. O triunfo logrado no ano passado foi histórico porque o igualou ao seu grande ídolo no esporte, Ayrton Senna, em número de vitórias: 41. Neste fim de semana, Lewis terá a chance de fazer novamente história e chegar à emblemática 50ª vitória. Mas as coisas não são tão simples assim.
 
Hamilton chega a Suzuka abalado depois de ver suas grandes chances de vitória no último GP da Malásia explodirem com o poderoso motor Mercedes. Lewis perdeu a cabeça e disparou contra a própria equipe que o ajudou a ser alçado ao Olimpo do esporte, insinuou uma teoria da conspiração completamente sem sentido e depois voltou atrás.

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 1
,components : { mute: {delay :3}, skip: {delay :3} }
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);

Hamilton chega a Suzuka abalado pelo duro revés sofrido em Sepang (Foto: Reprodução/Facebook)
Enquanto isso, do outro lado do ‘corner’, Rosberg vem tendo uma postura mais afável e conciliadora, lamentando inclusive o revés do seu adversário na Malásia. O alemão, assim, vai trazendo para junto de si a equipe, e isso pode exercer papel determinante nas cinco corridas que faltam para o desfecho do campeonato. Nico tem em seu favor o fator psicológico, mas também é dono de um bom desempenho no Japão, com duas poles nos dois últimos anos.
 
Com tanta coisa em seu favor, os 23 pontos representam uma diferença pra lá de confortável, o que dá ao germânico o luxo de ser mais ortodoxo. Assim, resta o desespero para Hamilton, que só pode pensar em vitória neste domingo em Suzuka.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Analisando pelo lado hipotético da coisa, caso Rosberg vença no Japão e Hamilton terminar em segundo, o alemão vai somar 313 pontos, 30 a mais que o rival. Portanto, não há outra alternativa para o combalido britânico para conquistar o tetracampeonato em 2016. Por outro lado, Nico tem todas as chances de aplicar outro golpe duro que pode resultar, sim, no nocaute psicoógico de Lewis.

 
O cenário de mais um embate entre Hamilton e Rosberg é o empolgante circuito de Suzuka. A pista é adorada pelos pilotos, que terão pela frente curvas como a Degner e a 130R. Presente desde 1987 no calendário do Mundial, o traçado já recebeu disputas históricas e grandes decisões por título. Impossível não lembrar das lendárias batalhas entre Ayrton Senna e Alain Prost em 1988, 1989 e 1990.
 
Claro, a luta entre os pilotos da Mercedes é a grande atração do GP do Japão, mas há outros grandes destaques. A Red Bull se consolidou de vez como a segunda força do campeonato, e prova disso são os belos resultados de Max Verstappen e Daniel Ricciardo, que finalmente conquistou a merecida vitória neste ano em Sepang. Mas sonhar com uma nova vitória taurina, agora em Suzuka, passa muito com o que vai acontecer com os dois carros da Mercedes. Em condições normais, trata-se de algo improvável, mas o ótimo equilíbrio do RB12 é capaz de proporcionar a Ricciardo e Verstappen ao menos uma boa briga por um lugar no pódio. 
No ano passado, Hamilton igualou Senna em Suzuka. Em 2016, pode chegar à vitória 50 na F1 (Foto: AP)
O fim de semana pode marcar a conquista do tricampeonato do Mundial de Construtores para a Mercedes. A Red Bull, que soma 359, pode chegar no máximo aos 574 pontos caso faça todas as cinco dobradinhas até o GP de Abu Dhabi. Assim, a equipe de Brackley precisa somar apenas 21 pontos a mais que os taurinos para fazer a festa em Suzuka. Já no Mundial de Pilotos, Ricciardo é o único piloto não-Mercedes com chances matemáticas de título. Contudo, a taça do mundo parece mesmo destinada a Hamilton ou Rosberg.
 
Quanto à Ferrari, não há muito o que esperar além de um quinto e sexto lugar. A performance dos carros prateados (ou melhor, do carro de Kimi Räikkönen em Sepang, já que Sebastian Vettel não conta em razão do papelão na largada) foi pífia, e o panorama em Suzuka é muito parecido. Mais do que nunca, cada vez mais os esforços da escuderia de Maranello se concentram em 2017, ano em que estão as esperanças de levar a melhor com a adoção do novo regulamento técnico.
O GP do Japão é especial para a McLaren-Honda, em ascensão na temporada 2016 (Foto: McLaren)
Outra bela briga para ficar de olho é entre Williams e Force India pelo quarto lugar do Mundial de Construtores. Também na teoria, os dois carros se equivalem em Suzuka, uma pista de alta velocidade que favorece quem conta com o motor Mercedes. Aí, a diferença vai estar nos detalhes. Para a Williams, a situação pesa um pouco mais porque Felipe Massa nem de longe vem tendo a mesma consistência do seu companheiro de equipe. Para se ter uma ideia, o brasileiro somou apenas quatro pontos nas últimas dez corridas. Valtteri Bottas acumulou dez apenas no último fim de semana, em Sepang.
 
A queda na performance do brasileiro coincide com a aproximação do fim da sua carreira e também, paralelamente, com a ascensão da McLaren. Não é à toa que Fernando Alonso passou Massa e assumiu o décimo lugar do Mundial de Pilotos. A forma do espanhol mostra a grande evolução do MP4-31 e também do motor Honda. O bicampeão usou uma versão atualizada da unidade de potência em Sepang e terá o propulsor como um impulso para conquistar um bom resultado na casa da montadora japonesa. Já é possível até apontar a McLaren ali entre a Williams e a Force India neste fim de semana.
Vettel é o maior vencedor em Suzuka dentre os pilotos em atividade. Mas vive talvez sua pior fase na F1 (Foto: Ferrari)
Sebastian Vettel, que faz talvez sua pior temporada na F1 em 2016, é o piloto em atividade com o maior número de vitórias em Suzuka: quatro. O recordista de triunfos no GP do Japão é Michael Schumacher, com seis conquistas. Além de Vettel e Hamilton, Fernando Alonso, Jenson Button e Kimi Räikkönen já subiram no topo do pódio do lendário traçado japonês.
 
Percorrido em sentido horário, o circuito tem extensão de 5,807 m. O dono do recorde da pista é Schumacher, que cravou 1min28s954 durante o treino classificatório do GP do Japão de 2006, o seu último em Suzuka como piloto da Ferrari, com uma média horária de 235,011 km/h. Pouco antes da chicane Casio, a pista tem seu ponto de maior velocidade, com os pilotos podendo ultrapassar os 330 km/h.
 
 
Novidade nos pneus para o GP do Japão
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Pela primeira vez, a Pirelli vai levar para Suzuka os pneus macios. A fornecedora de Milão escolheu também os compostos duros e médios para o fim de semana. No ano passado, Hamilton adotou a estratégia vencedora de duas paradas. Assim, a adoção dos pneus de risca amarela pode desempenhar uma maior variável nas táticas ao longo da corrida.

 
“Suzuka é uma corrida que todo mundo espera com ansiedade. Há pouco o que acrescentar sobre o que já foi dito sobre a incrível recepção que os fãs japoneses nos dispensam a cada ano e sobre seu entusiasmo e conhecimento. Pela primeira vez, vamos levar os pneus macios para Suzuka, e isso deve proporcionar um aspecto distinto para a estratégia, já que é possível que desde a classificação no sábado vejamos alguma escolha tática”, avaliou Paul Hembery, diretor-esportivo da Pirelli.
 
“Aconteça o que acontecer, o pneu duro terá de ser utilizado na corrida, como na Malásia. Além disso, o desgaste vai ser elevado, o que sempre proporciona várias oportunidades estratégicas”, complementou o britânico.
Pela primeira vez a Pirelli vai levar os pneus macios para Suzuka (Foto: Pirelli)
Lewis Hamilton e Nico Rosberg, os dois postulantes ao título, escolheram a mesma quantidade de jogos de pneus macios, oito, mas optaram por combinações distintas em relação aos duros e médios: Lewis vai levar a Suzuka três jogos de pneus duros e dois de médios. Para o alemão, é o contrário: dois de pneus ‘laranjas’ e três dos compostos de faixa branca.
 
A Ferrari ousou com seus pilotos. Sebastian Vettel e Kimi Räikkönen vão levar para Suzuka nove jogos de pneus macios cada. Mas o tetracampeão vai ser o piloto que vai usar o menor número de jogos de pneus médios: apenas um, e outros três de pneus duros. Kimi dividiu entre dois jogos de duros e outros dois de médios para somar com os nove de macios.
 
Já a Williams optou por uma escolha quase idêntica entre seus pilotos. Se Vettel vai ser o piloto com menos pneus médios à disposição no fim de semana no Japão, Felipe Massa vai usar nada menos que quatro jogos de pneus de faixa branca, assim como Pascal Wehrlein, Esteban Ocon e Esteban Gutiérrez. Tanto o brasileiro como Valtteri Bottas vão usar sete jogos de pneus macios.
 
Chamou a atenção o conservadorismo da Red Bull quanto às escolhas de pneus. Daniel Ricciardo e Max Verstappen optaram por combinação idêntica: quatro jogos de pneus duros, três de médios e apenas seis de macios, sendo a equipe de ponta que menos vai usar os compostos ‘amarelos’ em Suzuka. Wehrlein e Ocon, da Manor, também vão usar apenas seis jogos de pneus macios no Japão.
 
 
Fim de semana pode ser chuvoso em Suzuka
 
O 32º GP do Japão pode ser marcado pela chuva. Na sexta-feira de treinos livres, o site especializado ‘Accuweather’ indica um dia predominantemente nublado, mas com pouca chance de sessões com a pista molhada, com a temperatura ambiente variando entre 19 e 22ºC.
A chuva pode aparecer com força em Sepang, principalmente no sábado (Foto: AP)
No sábado, contudo, a chuva deve vir com força, uma vez que há 90% de chance de chuva no período da tarde, com a temperatura ambiente estimada entre 20 e 26ºC e a umidade relativa do ar na casa dos 90%. Para o domingo, a previsão é de céu nublado e chuva fina, com possibilidade de 58%, bastante considerável, portanto. Os termômetros não deverão exceder os 23ºC de temperatura ambiente em Suzuka.
 
 
Prognóstico do GRANDE PRÊMIO
1 44 LEWIS HAMILTON ING MERCEDES
2 6 NICO ROSBERG ALE MERCEDES
3 3 DANIEL RICCIARDO AUS RED BULL TAG HEUER
4 5 SEBASTIAN VETTEL ALE FERRARI
5 14 FERNANDO ALONSO ESP McLAREN HONDA
fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube