Primeira parte da temporada 2015 teve queda brusca na média de ultrapassagens em comparação a 2014, aponta estudo

De acordo com a revista alemã ‘Auto Motor und Sport’, a média de ultrapassagens nas primeiras dez corridas da temporada caiu de 42,6 em 2014 para 29,4 neste ano

A F1 segue buscando alternativas para aumentar o número de ultrapassagens, mas, de acordo com um levantamento da revista germânica ‘Auto Motor und Sport’, nessas primeiras dez provas, os pilotos fizeram menos ultrapassagens do que no mesmo período de 2014.
 
De acordo com a publicação, a média de ultrapassagens nas dez primeiras corridas do ano passado foi de 42,6, enquanto neste ano a marca caiu para 29,4.
Média de ultrapassagens caiu bastante em relação ao ano passado (Foto: AP)
A publicação aponta a mudança no regulamento da asa dianteira e a dificuldade dos pilotos com os atuais pneus Pirelli como causa para esta redução.
 
 “Ficou mais difícil ficar próximo do carro da frente”, disse Romain Grosjean. 
 
Falando à publicação francesa ‘Auto Hebdo’, o piloto da Lotus ponderou que o esporte mudou, mas nem por isso deixou de ser interessante.
 
“Eu realmente gostei do período entre 2012 e 2013, quando os pneus desempenhavam um papel maior”, comentou Grosjean. “Os tempos de volta eram bons e em algumas curvas era possível usar toda a aderência”, lembrou.
 
“Apesar do que as pessoas dizem, agora não é mais fácil guiar o carro, é só um pouco mais fácil fisicamente. É por isso que os novatos conseguiram ficarem confortáveis rápido e facilmente”, ponderou. “Mas as corridas de hoje não são tão ruins. Quem pode dizer que a Hungria não foi empolgante?”, questionou.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube