Quinto colocado na China, Räikkönen culpa estratégia e diz que Ferrari deveria ter “feito um trabalho melhor”

Kimi Räikkönen terminou o GP da China com a sensação de que a Ferrari poderia ter feito um trabalho melhor com relação à estratégia de pit-stop. O piloto se viu preso atrás dos carros da Red Bull na parte final da corrida e fechou a prova apenas na quinta posição

 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Kimi Räikkönen cruzou a linha de chegada do GP da China, disputado neste domingo (9), na quinta colocação e culpou a Ferrari pelo desempenho, afirmando que a equipe italiana deveria ter "feito um trabalho melhor" com relação à estratégia de pit-stops durante a corrida. O finlandês lamentou e disse que poderia até ter dito uma chance de chegar ao pódio. 

 
Assim como o companheiro Sebastian Vettel, Räikkönen teve os pneus intermediários trocados para os macios logo início da corrida, quando o saferty-car virtual foi acionado devido ao incidente envolvendo Lance Stroll. Mais tarde, o nórdico parou novamente na 39ª volta – mudando para os compostos supermacios -, dez giros depois que Max Verstappen e seis após Daniel Ricciardo, os dois pilotos da Red Bull com quem travava uma disputa durante a corrida. No fim das contas, Kimi terminou a prova 2s atrás do australiano.
 
"Tinha a sensação de que teríamos de parar em algum momento, então preferiria fazer isso mais cedo para sair do trânsito dos carros que estavam à minha frente, mas isso não aconteceu", disse Räikkönen, que ficou mais de 20 voltas preso antes de Verstappen e depois de Ricciardo.
Kimi Räikkönen foi o quinto colocado no GP da China (Foto: AFP)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 1
,components : { mute: {delay :3}, skip: {delay :3} }
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);
"Essa sensação ficou ainda mais clara para mim, e demoramos demais, mas as razões por trás disso, eu não sei agora. É fácil dizer depois que deveríamos ter feito um trabalho melhor. Só que, depois disso, a corrida praticamente acabou. Eu até cheguei na Red Bull, mas aí já era tarde demais", completou.

 
"O carro estava se comportando muito bem com os novos pneus, mas perdemos a frente depois de algumas voltas e, com certeza, temos algum trabalho para fazer com relação ao acerto. A velocidade não estava ruim também, mas não foi um grande resultado", admitiu o piloto.
 
Räikkönen, que vinha à frente de Vettel na primeira parte da corrida até ser ultrapassado, também confirmou os problemas relacionados à configuração de motor. O veterano ainda se queixou e disse que a perda da sexta-feira de treinos livres, que aconteceu na China por conta do tempo, foi muito prejudicial. "Ainda precisamos melhorar o acerto geral do carro. A situação de sexta-feira não facilitou. Temos potencial, mas precisamos fazer um trabalho melhor", concluiu.
 
O quinto lugar em Xangai também não foi visto como um bom resultado por Sergio Marchionne, o presidente da Ferrari. O dirigente lançou críticas quanto à performance do finlandês e sugeriu uma conversa o quanto antes.
 
PADDOCK GP #72 TRAZ ÁTILA ABREU E DISCUTE ETAPAS DA STOCK CAR, F1, INDY E MOTOGP

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube