Ralf Schumacher critica “clima de medo e terror” e diz que Williams é administrada “como nos anos 70 e 80”

Piloto da Williams entre 1999 e 2004, o alemão Ralf Schumacher afirmou que o time de Grove é gerido da mesma forma dos anos 70 e 80. Segundo ele, a chefe de equipe Claire Williams toma as mesmas atitudes do pai Frank, e precisa repensar seu emprego dentro da equipe, que teve os dois carros nas últimas colocações no GP da Austrália

Um dos pilotos mais vitoriosos da Williams na década de 2000, Ralf Schumacher também opinou sobre a péssima fase do time inglês, que foi último colocado no campeonato de Construtores da Fórmula 1 em 2018 e iniciou 2019 com as duas últimas posições no GP da Austrália, sendo que o polonês Robert Kubica acabou tomando três voltas de Valtteri Bottas, vencedor da corrida.

Schumacher, que pilotou pela equipe entre 1999 e 2004, somando seis vitórias, contou ao site alemão 'Motorsport-Total.com' que o gerenciamento da equipe nos dias de hoje é semelhante ao dos anos 70 e 80, com um clima de "medo e terror" imposto aos funcionários.

"A Williams tem um estilo de liderança muito 'especial'. Com o Patrick Head lá, era equilibrado. [Hoje em dia] É um estilo dos anos 70 e 80, há certo medo e terror. É uma pena, porque acho que as pessoas lá precisam ser motivadas", contou o alemão, que está aposentado da F1 desde 2007.
Robert Kubica (Foto: Williams)

O ex-piloto também fez fortes críticas à Claire Williams, atual chefe de equipe. O germânico citou que a dirigente manteve o mesmo estilo que o pai Frank tinha nos tempos que comandava o time de Grove, que precisa de uma reestruturação em seu gerenciamento.

 
"Com a estrutura atual, a Williams não consegue extrair o melhor dos seus funcionários, porque não existe coesão na equipe. Os engenheiros estão trabalhando um contra o outro. Infelizmente, a Claire manteve os costumes do pai, e ela deveria pensar se é o emprego certo pra ela. Talvez o estilo de gerenciamento de equipe precise de uma reestruturação", comentou.

O irmão do heptacampeão mundial Michael Schumacher aproveitou para falar da saída de Paddy Lowe, diretor-técnico da equipe, que pediu licença por motivos pessoais às vésperas do GP da Austrália. Para Ralf, o fracasso da passagem de Lowe pelo time, entre 2017 e 2018, é suficiente para questionar o modo que a Williams é gerida.

 
"Um cara [Paddy Lowe] que acabou de ser demitido teve muito sucesso em outros times, e ele falhou em colocar a Williams de volta na pista. Isso é o suficiente pra iniciar questionamentos", finalizou.
 
A Williams mostrou na Austrália que vai ter mais uma temporada difícil em 2019. Debatendo sobre a equipe inglesa durante o PADDOCK GP #151, os comentaristas acreditam ainda que é necessário que Claire deixe o posto de comando para que as coisas comecem a acontecer na esquadra. ASSISTA

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube