Red Bull diz que se preparou “por 5 ou 6 anos” para saída de Newey: “Estava chegando”

O time austríaco sabe que Newey fará falta, mas comemorou ter conseguido 'segurar' o projetista no time por quase 20 anos na Fórmula 1

A Red Bull sabia que a história de Adrian Newey na equipe austríaca austríaco estava chegando ao fim. Pelo menos é o que garante o chefe do time dos energéticos, Christian Horner. De acordo com ele, “nos últimos cinco ou seis anos” a equipe passou a trabalhar com uma espécie de plano de contingência, caso Newey optasse em seguir outro caminho — na Fórmula 1 ou fora dela.

“Sabíamos que este momento estava chegando”, afirmou Horner ao portal RacingNews365. “Construímos uma estrutura para poder pegar o bastão e continuar sem ele. Isso é algo que foi colocado em prática nos últimos cinco ou seis anos”, continuou.

O time campeão da F1 sabe que Newey fará falta, na fábrica, no escritório ou nas pistas, mas também comemora o fato de ter conseguido ‘segurar’ o projetista no time por quase 20 anos.

“Infelizmente, nada é para sempre. Adrian esteve na Williams por sete anos, esteve na McLaren por sete anos. Conseguimos mantê-lo por 18 anos. Com a equipe, a força e a profundidade da engenharia que temos, [Newey optou agora] por sair”, disse o dirigente. “Acho que estamos bem posicionados para o futuro com a equipe técnica que temos. Sempre soubemos que esse dia chegaria, e desde 2014, quando Adrian esteve muito perto de sair, essa estrutura foi montada”, explicou.

Adrian Newey e Christian Horner vão seguir caminhos separados (Foto: Red Bull Content Pool)

:seta_para_frente: Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2
:seta_para_frente: Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

Para Horner, o time de Milton Keynes tem potencial para seguir sendo uma das principais força do grid da F1, mesmo sem o engenheiro. “Ficaremos tristes com a saída, mas ele deixou a equipe muito bem. Temos um grande time de pessoas, força e profundidade para nos levar adiante.”

Aos 65 anos, Newey é considerado por muitos como um dos melhores engenheiros projetistas da história da Fórmula 1. Ele iniciou a carreira no Mundial em 1988, pela modesta equipe March, acompanhando a transição do time para Leyton House. Em 1991, se transferiu para a Williams, onde começou a ter a fama reconhecida pelos projetos que foram campeões mundiais em 1992, 1993 e 1996. Foi também pela esquadra de Grove onde passou pelo pior momento da carreira, com a morte de Ayrton Senna.

Em 1997, se transferiu para a McLaren, onde ajudou o time a quebrar um jejum de vitórias que durava 4 anos. Na temporada seguinte, em 1998, viu Mika Häkkinen levantar o primeiro título mundial da carreira, feito que se repetiu em 1999. Depois de uma tentativa frustrada de saída para a Jaguar em 2001, Newey desembarcaria em Milton Keynes em 2006. Agora, a equipe já era Red Bull e trouxe o projetista a preço de ouro. Com ele, veio o tetracampeonato de Sebastian Vettel entre 2010 e 2013, além da atual sequência de títulos de Max Verstappenentre 2021 e 2023.

Adrian Newey e Christian Horner durante evento sobre hipercarro RB17, o último projeto do engenheiro na equipe (Foto: Red Bull Content Pool)

Fórmula 1 retorna de 17 a 19 de maio com o GP da Emília-Romanha, no circuito de Ímola. O GRANDE PRÊMIO faz a cobertura completa do evento e das demais etapas do campeonato.

Chamada Chefão GP Chamada Chefão GP 🏁 O GRANDE PRÊMIO agora está no Comunidades WhatsApp. Clique aqui para participar e receber as notícias da Fórmula 1 direto no seu celular! Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.