Responsável pela criação do Hans no início da década de 1980, engenheiro Hubbard morre aos 80 anos

O automobilismo perdeu um dos grandes responsáveis pelo aumento da segurança dos últimos anos. Robert Hubbard, engenheiro responsável pela criação do Hans, morreu aos 80 anos

O mundo do automobilismo perdeu um importante nome que contribuiu de forma vital para a segurança. Na última terça-feira (5), o doutor Robert Hubbard, engenheiro responsável pela criação do Hans, morreu aos 80 anos.
 
Hubbard, que foi professor na Universidade de Michigan até sua aposentadoria, em 2006, criou o dispositivo de segurança em colaboração com seu cunhado Jim Downing, que também foi campeão da SportsCar.

“Estamos muito tristes por dizer que o doutor Robert Hubbard, inventor do dispositivo Hans, morreu na noite passada em sua casa, rodeado de seus entes queridos. Seu invento tem sido o avanço mais importante em segurança dos últimos 20 anos e salvou muitas pessoas de lesões ou consequências piores”, informou o comunicado de sua companhia Hans.

“Desejamos pêsames para sua família e amigos. O invento de Bob realmente mudou a segurança no automobilismo, era uma pessoa com um grande coração, disposto a ajudar a qualquer um que precisasse. Vamos sentir sua falta”, completou

Red Bull Content Pool)" />
Hoje, o Hans faz parte da vida dos pilotos (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)
O doutor sempre esteve bastante envolvido com a segurança muito antes de ter criado o Hans. Depois de muito estudo, Robert e Downing perceberam que os pilotos morriam em acidentes por não terem seus pescoços contidos, o que resultava em uma fratura basal craniana.
 
O início de suas pesquisas teve fundos limitados, com uma pequena concessão do estado de Michigan. Em 1985, Hubbard anotou a primeira patente, e Downing correu com o protótipo pela primeira vez em Daytona, no final do ano seguinte e apesar de terem enfrentado certa resistência em um primeiro momento, jamais desistiram do dispositivo. Com o tempo, conseguiram evoluir o projeto e aperfeiçoar a invenção, que se tornou uma peça mais prática do que a original.
 
Na F1, o interesse pelo Hans surgiu por parte da FIA e do professor Sid Watkins, preocupados com a segurança da categoria após as mortes de Ayrton Senna e Roland Ratzemberger no GP de San Marino de 1994. O dispositivo foi adotado em definitivo em 2003. Gerhard Berger testou uma versão no começo de 1995 com a Ferrari e Hubert Gramling, engenheiro da Mercedes, também realizou diversos testes.
 
Hoje, muitas outras categorias também passaram a adotar o Hans, como a Indy e Nascar, e as vidas salvas por Hubbard no decorrer dos anos vão seguir como seu grande legado no automobilismo.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube