Ricciardo admite que chegou na Renault com expectativa “alta demais”

Daniel Ricciardo se empolgou demais com a Renault no começo do ano e se frustrou um pouco. O australiano agora entende melhor a realidade da equipe francesa, o que não impede de seguir sonhando com pódio em 2020

Daniel Ricciardo se aproxima de um fim de temporada de altos e baixos com a Renault. O australiano até conseguiu somar mais pontos que o companheiro Nico Hülkenberg, mas não conseguiu comandar uma reação da equipe francesa na Fórmula 1. O australiano reconhece que se decepcionou um pouco com o andar de 2019, e talvez sem necessidade alguma – é que ter expectativas altas demais foi um erro. 
 
“Eu comecei o ano de cabeça aberta. No começo eu estava empolgado por ser um recomeço, uma mudança”, recordou Ricciardo, falando em entrevista acompanhada pelo GRANDE PRÊMIO. “Eu errei no passado ao ter expectativas altas demais, ficando decepcionado. Eu não esperava tudo isso nessa primeira temporada, sabia que precisávamos de tempo. Ainda não chegamos lá, mas temos mais consistência”, seguiu.
Daniel Ricciardo precisou de tempo até sorrir de fato na Renault (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)

O sentimento de frustração do primeiro semestre foi substituído pelo de alegria com a reação, ainda que contida, da Renault em provas recentes.

 
“A gente está aparecendo mais nos domingos agora. A gente consegue ir ao Q3 nas classificações, mas nem sempre estamos lá e certamente não estamos tão rápidos quanto a McLaren, que é nossa meta no pelotão intermediário. Se não der para batê-los, ao menos queremos chegar mais perto. Estamos começando a mostrar mais consistência. Acho que vale para mim também, porque me sinto mais familiar com o carro conforme vou correndo mais. Sim, foi uma boa sequência de corridas. Ficamos em sexto em Austin, que é algo importante para nós. Ainda não tivemos um banho de champanhe”, destacou.
 
O GP dos Estados Unidos, com Ricciardo em sexto, foi um bom indicativo de o que pode acontecer em 2020, com um carro talvez capaz de lutar por pódios.
 
“O nosso objetivo para 2020 sempre foi terminar ao menos uma vez no pódio. Ainda estamos um pouco distantes disso. Se tivermos uma preparação forte, podemos chegar lá no próximo ano”, encerrou.

O GRANDE PRÊMIO cobre in loco o GP do Brasil com os jornalistas Evelyn Guimarães, Felipe Noronha, Fernando Silva, Flavio Gomes, Gabriel Carvalho, Gabriel Curty e Pedro Henrique Marum, e o fotógrafo Rodrigo Berton. Acompanhe todo o noticiário aqui e tudo dos bastidores e das atividades em pista AO VIVO e em TEMPO REAL

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar