Rosberg vence alucinante GP da Bélgica, mas vê Hamilton ser terceiro e perde chance de voltar a ser líder da temporada

Nico Rosberg até fez sua parte, confirmou o favoritismo e venceu o GP da Bélgica. Mas não foi o bastante para voltar à liderança do campeonato. Com sorte de campeão, Lewis Hamilton largou do penúltimo lugar, aproveitou todas as chances em meio a um GP empolgante em Spa-Francorchamps e garantiu um lugar no pódio. De quebra, se manteve na ponta do Mundial de Pilotos

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Nico Rosberg cumpriu seu papel, confirmou o favoritismo depois de ter largado na pole-position e venceu de forma até tranquila o GP da Bélgica, 13ª etapa da temporada 2016 do Mundial de F1. Seu êxito, contudo, não foi o suficiente para alçá-lo de volta à liderança do campeonato. Para aproveitar a chance dada por Lewis Hamilton, que largou da última fila do grid em razão de inúmeras trocas de peças do seu motor, e terminar o fim de semana no topo do Mundial de Pilotos, Rosberg teria de vencer e seu rival terminar no máximo em sétimo.

Mas o excelente desempenho do seu carro, além da alucinante corrida em Spa-Francorchamps, com incidentes na primeira volta e também da batida de Kevin Magnussen — causando a interrupção da prova — foram fundamentais para ajudar Hamilton a escalar o pelotão e subir de último no grid para terminar a prova deste domingo (28) em terceiro lugar.

De fato, o GP da Bélgica, em razão das trocas de motores que a Mercedes realizou para garantir uma reserva a Hamilton nesta fase final do campeonato, representava a grande chance para Rosberg voltar à ponta do Mundial. Mas depois dos resultados deste domingo, Lewis vai para Monza, palco do GP da Itália na semana que vem, com 232 pontos, contra 223 de seu companheiro de equipe. O terceiro lugar na tabela de pontos é Daniel Ricciardo, que comprovou a grande forma da Red Bull e terminou em segundo lugar. Agora, o australiano soma 151.

A Force India coroou um grande fim de semana com seus dois carros no rol dos cinco primeiros. Nico Hülkenberg ficou perto, muito perto do seu primeiro pódio na F1, mas ainda assim garantiu um bom quarto lugar, sendo seguido por Sergio Pérez. O ótimo resultado colocou o time de Silverstone em quarto lugar no Mundial de Construtores com 103 pontos, contra 101 da Williams, que voltou a pontuar neste domingo, mas teve um desempenho bastante apagado. Felipe Massa garantiu o décimo lugar e quebrou o incômodo jejum de quatro corridas sem marcar pontos, mas terminou atrás de Valtteri Bottas e de Kimi Räikkönen, que se envolveu em um incidente na primeira curva com Max Verstappen e Sebastian Vettel, sexto ao fim da disputa, chegando à frente de Fernando Alonso.

Felipe Nasr teve um desempenho aquém do esperado para uma Sauber que foi à pista com um grande pacote de atualizações e terminou em 17º e último lugar dentre os pilotos que cruzaram a linha de chegada da prova na Bélgica.

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 1
,components : { mute: {delay :3}, skip: {delay :3} }
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);

Nico Rosberg vence em Spa, mas perde chance rara de voltar a ser líder da temporada (Foto: Mercedes)

Saiba como foi o GP da Bélgica de F1

A largada era uma das chaves do GP da Bélgica. E a estratégia poderia jogar contra ou a favor. Max Verstappen, por exemplo, largou com os pneus supermacios, diferente do pole Nico Rosberg e de Kimi Räikkönen, que partiram com os macios. Lá na última fila, Lewis Hamilton e Fernando Alonso preferiram iniciar a corrida com os pneus médios.

De fato, a largada foi inacreditável. Não para Rosberg, que tracionou bem e se manteve na frente. Mas na entrada da La Source, Verstappen acabou tocando em Kimi Räikkönen, que tocou em Sebastian Vettel. Na verdade, o holandês foi espremido pelas duas Ferrari. O alemão rodou na curva e o 'Homem de Gelo' teve um pneu furado. Em razão do incidente, Verstappen teve de ir para os boxes para trocar a asa dianteira. Aí Nico Hülkenberg, de forma surpreendente, pulou para segundo, com Ricciardo em terceiro e Felipe Massa em quarto. Romain Grosjean completava o top-5.

Hamilton, de último, pulou para 13º lugar, enquanto Carlos Sainz teve o pneu traseiro direito furado, que acabou por danificar a asa traseira do carro da Toro Rosso. O espanhol então teve de deixar a prova. Claro, a direção de prova teve de acionar o safety-car virtual para garantir a segurança dos pilotos e renover os detritos da pista. Além de Sainz, Marcus Ericsson, Pascal Wehrlein e Jenson Button também estavam fora da corrida. Enquanto isso, Massa entrava nos boxes e antecipava sua primeira parada.

Mas a calmaria durou pouco. O safety-car entro na pista na sexta volta em razão de uma fortíssima batida de Kevin Magnussen, que perdeu o controle da sua Renault e se chocou na barreira de pneus da curva Raidillon, na sequência da Eau Rouge. Com o impacto, o protetor de cabeça do cockpit acabou se soltando do carro, mas o dinamarquês conseguiu sair do carro sem problemas.

A série de incidentes era benéfica demais a Alonso e, sobretudo, Hamilton, considerando que ambos largaram com pneus médios. Fernando vinha na quarta colocação, seguido pelo britânico. A entrada do safety-car aproximou todo mundo e ajudou Lewis demais, que passava a ter chances reais de pódio, algo pouco provável antes da corrida. 

Às 14h24 locais (9h24 de Brasília), com dez voltas, a direção de prova determinou o acionamento da bandeira vermelha, interrompendo a corrida. A barreira de proteção na Raidillon estava destruída, de modo que era preciso de tempo para fazer os devidos reparos. Aí os pilotos voltaram para o pit-lane e tiveram de esperar o momento certo para voltar à pista e retomar a corrida.

A interrupção da corrida proporcionou uma mudança crucial no panorama da prova quanto à estratégia. Isso porque os pilotos puderam trocar de pneus durante a bandeira vermelha. Assim, Hamilton e Alonso, que largaram com os médios, tinham a chance de colocar pneus mais rápidos para a sequência da disputa em Spa-Francorchamps. Rosberg optou pelos médios, assim como Pérez; Alonso, Hamilton e Massa voltaram com os macios. 

A direção de prova determinou a relargada, atrás do safety-car, às 14h41 locais. Rosberg estava na frente, seguido por Ricciardo, Hülkenberg, Alonso, Hamilton, Massa, Pérez, Kvyat, Palmer e Grosjean. Nasr era o 16º e penúltimo dentre os pilotos na pista, só à frente de Räikkönen.

Com a bandeira verde, as primeiras posições foram mantidas, e Rosberg acelerava para abrir o máximo possível de vantagem para Hamilton. De qualquer forma, o estrago já estava feito e, com grandes chances de chegar ao pódio, Lewis poderia fechar o GP da Bélgica tranquilamente na liderança do campeonato.

Kimi detonou Verstappen em razão de uma disputa de pista (Foto: Reprodução)

Na volta 12, Hamilton finamente fez a ultrapassagem e ganhou de Alonso a quarta colocação. Mais atrás, Verstappen e Räikkönen lutavam lado a lado pela 14ª colocação e quase se tocavam na Les Combes, para desespero do finlandês: "Seu único interesse é me tirar da pista", lembrando o duelo no GP da Hungria. Em seguida, outra vez o holandês jogou duro contra Kimi, que detonou: "É ridículo!".

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Enquanto Verstappen parava nos boxes para trocar os pneus médios pelos macios, Hamilton pressionava Hülkenberg em busca do terceiro lugar. Ao fim da reta Kemmel, na volta 18, Lewis usou e abusou da potência do motor Mercedes e também da asa móvel para ultrapassar com facilidade o carro da Force India, entrando no top-3 da prova. Pouco depois, o tricampeão fez seu pit-stop, mas perdeu tempo nos boxes. Em 13º, Nasr era punido em 5s pela direção de prova por ter excedido os limites da pista. Massa, por sua vez, vinha em décimo depois de ter feito mais uma parada durante a corrida.

Ainda durante as trocas de pneus, Alonso e Hülkenberg ficaram lado a lado após suas respectivas paradas e se tocaram, com o espanhol vindo por dentro e acertando o carro da Force India, que tinha a preferência no trecho. Outro que fazia sua parada era Ricciardo, que conseguia voltar à frente de Hamilton. E, na volta 27, Rosberg fazia nova troca para usar outro jogo de pneus médios.

Massa vinha em sexto e fazia uma corrida bastante boa considerando suas últimas performances na F1. O brasileiro, contudo, não conseguiu evitar a ultrapassagem de Pérez, que tinha melhor rendimento e também conseguia passar Alonso em seguida. Assim, o mexicano ficava perto do seu companheiro de equipe de Force India, que tinha performance excelente na Bélgica.

Quando Hamilton fez sua parada derradeira, calçando pneus médios para ir até o fim, restavam 11 voltas para o desfecho da corrida. Lewis voltou em quarto, atrás de Hülkenberg, mas com chances reais de lutar pelo terceiro lugar contra o alemão e garantir um incrível pódio. Não deu outra. Na volta seguinte, o britânico fez a ultrapassagem e se consolidou no top-3 da prova. Nas últimas voltas, Lewis apertou o ritmo para se aproximar de Ricciardo, mas preferiu depois se consolidar em terceiro e somar pontos preciosos na luta pelo tetra.

Massa aparecia em oitavo e tentava lutar bravamente pelo sétimo lugar com Vettel. Contudo, o brasileiro não tinha o melhor ritmo e passava a ser pressionaado pelo seu companheiro de equipe, Valtteri Bottas, e também de Kimi Räikkönen, nono e décimo, respectivamente. Restando duas voltas para o fim, Felipe não resistiu e acabou sendo superado, caindo para décimo lugar.

 

F1 2016, GP da Bélgica, Spa-Francorchamps, corrida, final:
 
1 6 NICO ROSBERG ALE MERCEDES   44 voltas
2 3 DANIEL RICCIARDO AUS RED BULL TAG HEUER +14.113  
3 44 LEWIS HAMILTON ING MERCEDES +27.634  
4 27 NICO HÜLKENBERG ALE FORCE INDIA MERCEDES +35.907  
5 11 SERGIO PÉREZ MEX FORCE INDIA MERCEDES +40.660  
6 5 SEBASTIAN VETTEL ALE FERRARI +45.394  
7 14 FERNANDO ALONSO ESP McLAREN HONDA +59.445  
8 77 VALTTERI BOTTAS FIN WILLIAMS MERCEDES +1:00.151  
9 7 KIMI RÄIKKÖNEN FIN FERRARI +1:01.109  
10 19 FELIPE MASSA BRA WILLIAMS MERCEDES +1:05.873  
11 33 MAX VERSTAPPEN HOL RED BULL TAG HEUER +1:11.138  
12 21 ESTEBAN GUTIÉRREZ MEX HAAS FERRARI +1:13.877  
13 8 ROMAIN GROSJEAN FRA HAAS FERRARI +1:16.474  
14 26 DANIIL KVYAT RUS TORO ROSSO FERRARI +1:27.097  
15 30 JOLYON PALMER ING RENAULT +1:33.165  
16 31 ESTEBAN OCON FRA MANOR MERCEDES +1 volta  
17 12 FELIPE NASR BRA SAUBER FERRARI +1 volta  
18 20 KEVIN MAGNUSSEN DIN RENAULT +39 voltas NC
19 9 MARCUS ERICSSON SUE SAUBER FERRARI +43 voltas NC
20 55 CARLOS SAINZ JR ESP TORO ROSSO FERRARI +43 voltas NC
21 22 JENSON BUTTON ING McLAREN HONDA +44 voltas NC
22 94 PASCAL WEHRLEIN ALE MANOR MERCEDES +44 voltas NC
               
MELHOR VOLTA LEWIS HAMILTON ALE MERCEDES 1:51.583 volta 41
               
RECORDE JARNO TRULLI ITA TOYOTA 1:35.417 29/08/2009

PADDOCK GP #43 DEBATE INDY E MOTOGP E FAZ PRÉVIA DA F1

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube