Sem considerar ‘rival direta’, McLaren busca na Sauber segunda equipe a fechar parceria com Honda, diz site

De acordo com o site norte-americano ‘Motorsport.com’, fontes ligadas à McLaren indicam que Ron Dennis já trabalha nos bastidores para que a Sauber passe a contar com os motores Honda a partir de 2017. A parceria entre a equipe suíça e a Ferrari já vem desde 1997, interrompida somente durante os anos em que o time de Hinwil foi arrendado para a BMW

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Ao menos no que depender de Ron Dennis, a Sauber será a próxima equipe a contar com os motores Honda na F1. Não para a próxima temporada, mas sim para 2017. A informação, publicada nesta terça-feira (1) pelo site norte-americano ‘Motorsport.com’, diz que o presidente do Grupo McLaren já costura nos bastidores um acordo que ligaria a Sauber e a Honda. A escuderia suíça, diferente da Red Bull — que foi impedida por Ron Dennis de contar com os propulsores japoneses em 2016 —, não é vista pelo dirigente britânico como uma rival direta, o que aumentaria o potencial para uma nova parceria.
 
A Sauber é parceira da Ferrari desde 1997, quando passou a contar com os motores construídos em Maranello — à época, batizados como Petronas, antiga patrocinadora da equipe. A união só foi interrompida entre 2006 e 2009, quando o time de Hinwil foi arrendado pela BMW. No regresso, novamente a Sauber foi empurrada pelos propulsores italianos.
Desejo de Ron Dennis é que a Sauber seja a nova parceira da Honda na F1 (Foto: Honda Racing/Divulgação)
Questionada pela publicação, a chefa da Sauber, Monisha Kaltenborn, se mostrou aberta a uma nova parceria com a Honda. “Houve muita conversa sobre motor acontecendo na reunião [da última semana, em Paris, para decisão sobre os motores alternativos para 2017 na F1], quando estávamos todos lá. E, nesse contexto, estávamos discutindo uma opção como essa, porém olhando mais para o passado e para o que tinha acontecido.”
 
“Neste contexto, nós também tivemos uma conversa sobre a nossa situação de motor, e nós dissemos que atualmente temos uma ligação, mas você deve sempre manter todas as opções em aberto. Foi incorporado um grande discurso público de que os fornecedores de motores têm de entregar para mais equipes”, lembrou Monisha.
 
A advogada indo-austríaca fez menção à nova proposta da FIA, que visa garantir com que cada uma das fornecedoras de motor entregue seus propulsores a um número mínimo de equipes, embora as regras para tal distribuição ainda não tenham sido estabelecidas pela entidade, mas que devem passar a vigorar a partir de 2017 ou 2018. Tal proposta foi divulgada na esteira do veto aos motores alternativos, proposta que a Sauber sempre se mostrou contrária.
Apesar da ligação de longa data com a Ferrari, Monisha não descartou um eventual acordo com a Honda (Foto: AP)
Monisha falou sobre a longa ligação com a Ferrari, mas entende que uma eventual ligação com uma marca como a Honda não pode ser descartada. “Temos um relacionamento duradouro com a Ferrari, é um bom relacionamento. Mas ninguém sabe o que vai ser em dois, três ou quatro anos”, comentou a dirigente, que recordou ter uma conversa a respeito de uma eventual parceria com a Honda com seu ex-piloto, Kamui Kobayashi.
 
“Uma vez surgiu uma ideia de que nós estávamos pensando em talvez ter a Honda. Nós não fomos abordados pela Honda, vamos colocar assim, mas isso foi porque Kamui Kobayashi veio até nós e perguntou. Não me pergunte se foi no ano passado ou no ano anterior, mas este foi o contexto daquela conversa”, acrescentou Kaltenborn.
 
A Sauber chegou a ter um conflito de interesses com a McLaren no que tange ao fornecimento de motor. A equipe suíça estreou na F1 em 1993 contando com uma sólida parceria com a Mercedes, chegando à categoria máxima do automobilismo depois de construir uma ligação vitoriosa com a fábrica alemã no Mundial de Esporte Protótipo. A parceria durou dois anos, mas depois a Mercedes optou por se unir à McLaren, estabelecendo uma união que durou duas décadas, se encerrando no fim de 2014. Nos anos de 1995 e 1996, a Sauber usou motores Ford Cosworth antes de iniciar sua ligação com a Ferrari, na temporada seguinte.

(function(d, s, id) { var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0]; if (d.getElementById(id)) return; js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = “//connect.facebook.net/pt_BR/sdk.js#xfbml=1&version=v2.3”; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs);}(document, ‘script’, ‘facebook-jssdk’));

Pior temporada em anos tem desfecho merecido e leva a pedido: F1, mude jáhttp://grandepremio.uol.com.br/f1/noticias/opiniao-gp-pior-temporada-em-anos-tem-desfecho-a-altura-e-leva-a-pedido-claro-f1-mude-ja

Posted by Grande Prêmio on Segunda, 30 de novembro de 2015

PADDOCK GP EDIÇÃO #8: ASSISTA JÁ

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)<0?n+="px":n,cc.style.display="",s2.width=n,window.frameElement&&(s1.height=c2.offsetHeight+5+"px"),t=500,s1.width="100%"}rs(t)},200)}var c1=window.frameElement?window.frameElement:document.getElementById("crt_ftr"),c2=document.getElementById("crt_ftr"),s1=c1.style;s1.position="fixed",s1.bottom="-4px",s1.left="0px",window.frameElement&&(s1.height="0"),c2.style.textAlign="center",s1.zIndex="60000";var cc=document.getElementById("crt_cls"),s2=cc.parentNode.style;cc.onclick=function(){s1.display="none"};var t=0;rs(0);

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth < 970) ? 302357 : 302359;
document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube