Sem expectativas para Abu Dhabi, Alonso fala em converter frustração em inspiração para 2016: “Ainda estou otimista”

Fernando Alonso apenas almeja que a péssima fase vivida em 2015 “não aconteça nunca mais”. Sua perspectiva para a próxima temporada é otimista, até por entender que nada pode ser pior do que tem sido este ano. Por isso, o espanhol tem um lema: “Grandes problemas pedem grandes soluções”

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Fernando Alonso não vê a hora de 2015 acabar. Falta pouco. Depois do GP de Abu Dhabi, todos os trabalhos da McLaren Honda se voltarão para a próxima temporada com um objetivo muito claro: que a péssima performance e a falta de confiabilidade apresentados neste ano não se repita em 2016. Alonso também se mostra otimista e ainda acredita no projeto. Por isso, o piloto de 34 anos quer converter frustração em inspiração para abrir sua 15ª temporada no Mundial de F1.
 
“Se nós pudermos transformar toda nossa frustração em inspiração, isso definitivamente vai ajudar em nossa curva de aprendizado. Grandes problemas pedem grandes ações, e é isso o que estamos fazendo para o ano que vem. Ainda estou otimista”, afirmou Fernando em entrevista ao site da F1.
Fernando Alonso só quer que 2016 seja melhor. E se mostra otimista e ainda acredita no projeto da McLaren (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)
O bicampeão do mundo foi a ‘estrela’ do fim de semana pela forma irônica com que lidou com a frustração de ter ficado de fora de mais uma classificação ainda no Q1, em Interlagos. Mas Fernando sabe que seu calvário em 2015 ainda não terminou.
 
Para o GP de Abu Dhabi, Alonso não traz a menor expectativa. “Em Abu Dhabi, se ficarmos de fora no Q1, isso deixará de ser uma decepção, mas sim uma amarga realidade. Mas nós sabemos disso, então temos de encaixar todas as coisas no lugar para a próxima temporada. Porque grandes problemas pedem grandes ações, e é isso o que estamos fazendo para o ano que vem”, disse.
 
No fim das contas, a única coisa que o asturiano espera é que 2016 seja melhor do que foi 2015. Até porque não há como ser pior. “Ainda é um pouco cedo para o projeto do ano que vem. Todos os nossos pontos fracos foram identificados, e nós estamos trabalhando neles. Depois de Abu Dhabi, vamos trabalhar forte para garantir que o que acontecem em 2015 não aconteça nunca mais.”
 
Alonso só somou pontos em duas corridas na temporada: foi décimo lugar no GP da Inglaterra e, numa prova completamente maluca e atípica na Hungria, terminou em quinto, acumulando 11 pontos num total de 18 provas. A se confirmar a 17ª colocação no Mundial de Pilotos, Alonso terá seu pior desempenho desde quando estreou na F1 pela Minardi, em 2001, não pontuou e fechou em 23º.

 

 

(function(d, s, id) { var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0]; if (d.getElementById(id)) return; js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = “//connect.facebook.net/pt_BR/sdk.js#xfbml=1&version=v2.3”; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs);}(document, ‘script’, ‘facebook-jssdk’));

Lembram-se daquele carro conceito de 2017 que a Ferrari fez no começo do ano? Pois o pessoal da Asseto Corsa trabalhou…

Posted by Grande Prêmio on Quarta, 18 de novembro de 2015

PADDOCK GP EDIÇÃO #7: ASSISTA JÁ

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube