Vettel aproveita estratégia da Ferrari, derrota Hamilton e abre temporada 2017 com vitória no sonolento GP da Austrália

Como já era esperado, a etapa que abriu a temporada 2017 foi de poucas emoções. Mas trouxe um novo ar à F1 com a vitória de Sebastian Vettel. O alemão quebrou o favoritismo de Lewis Hamilton e levou a melhor com a estratégia de pit-stop da Ferrari. Valtteri Bottas chegou a pressionar Hamilton, mas terminou em terceiro, enquanto Felipe Massa foi o sexto

#GALERIA(6970)

 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Para quem sonhava com uma F1 mais equilibrada nesta nova temporada, o resultado do GP da Austrália pode ser considerado animador. Sebastian Vettel venceu a primeira corrida do Mundial de F1 em 2017, neste domingo (26), na base da competência e também da estratégia correta da Ferrari. Lewis Hamilton liderou a prova nas primeiras 17 voltas, quando foi aos boxes para colocar pneus macios. Vettel só fez sua parada sete giros depois e partiu para a fase fina da disputa com os macios, voltando à frente do rival. Daí em diante, Seb realizou uma prova absolutamente segura e não foi mais superado para ser o primeiro a cruzar a linha de chegada no circuito Albert Park, que foi palco de uma corrida com poucas emoções e ultrapassagens, como já era previsto em razão da grande pressão aerodinâmica dos novos carros.

É a primeira vez desde o GP do Japão de 2012 que um piloto da Ferrari não liderava o Mundial de F1. Naquela oportunidade, Fernando Alonso, que abandonou a corrida deste domingo com a McLaren, se colocava na ponta da temporada. A última vitória de Vettel foi no GP de Singapura de 2015.

Hamilton teve de se conformar com o segundo lugar. Um segundo lugar com gosto amargo depois de ter saboreado a pole-position no último sábado. Lewis ainda teve de segurar a pressão do seu novo companheiro de equipe, Valtteri Bottas, que apresentou um desempenho sólido e faturou um pódio na sua primeira corrida pela Mercedes. Kimi Räikkönen, extremamente apagado, bem diferente do seu colega de equipe, foi o quarto, enquanto Max Verstappen completou a prova logo depois. Felipe Massa, no seu 'retorno' à F1, garantiu uma boa sexta posição, à frente de Sergio Pérez, da Force India.

A Toro Rosso colocou seus dois pilotos no top-10 com Carlos Sainz em oitavo e Daniil Kvyat em nono. Esteban Ocon, parceiro de Pérez na Force India, faturou seu primeiro ponto na F1 ao terminar em décimo. Destaque também para a ótima performance do também novato Antonio Giovinazzi, que fechou em 12º com a Sauber.

Sebastian Vettel brilhou em Melbourne e abriu a temporada 2017 com vitória (Foto: Twitter/Reprodução)

Saiba como foi o GP da Austrália de F1

Cerca de 20 minutos antes da largada, Daniel Ricciardo viveu um drama em Melbourne. Na volta de saída dos boxes rumo ao grid de largada, o carro do australiano apresentou uma pane e ficou parado, colocando em xeque sua participação na prova, para tristeza dos fãs que lotavam as arquibancadas no circuito Albert Park. O RB13 #3 de Daniel foi levado para os boxes para que a Red Bull conseguisse fazer os reparos necessários para colocar seu piloto de volta à pista. Com muito esforço, Ricciardo fez a alegria dos fãs, saiu dos boxes e foi para a corrida, ainda que uma volta depois da largada.

A corrida foi emblemática por vários sentidos. Primeiro, por ser a primeira em quase 40 anos de F1 sem Bernie Ecclestone como chefe supremo. Foi o debute do Liberty Media, o novo dono da categoria. E a prova também marcou o início de uma nova era com o novo regulamento técnico, que proporcionou aos pilotos carros muito mais rápidos e desafiadores, mas também trouxe corridas com menos possibilidade de ultrapassagens.

A direção de prova abortou a primeira largada, fazendo com que os pilotos completassem outra volta de apresentação, reduzindo para 57 giros a duração da corrida. Em seguida, a prova começou pra valer. Hamilton fez uma largada segura e sustentou a liderança, sendo seguido por Vettel. Bottas manteve o terceiro posto, com Räikkönen um pouco mais atrás. Max Verstappen passou em quinto, enquanto Massa ganhava a posição de Romain Grosjean, que foi superado também pela Toro Rosso de Carlos Sainz. Lá atrás, Kevin Magnussen começava mal sua jornada pela Haas e acertava a Sauber de Marcus Ericsson.

A largada do GP da Austrália (Foto: AFP)

No começo, Vettel não deixou Hamilton escapar, mostrando que a Ferrari tinha um ritmo de corrida muito bom. O tetracampeão já abria uma pequena vantagem perante Bottas, enquanto Räikkönen estava mais atrás, em quarto. No fim do pelotão, Ricciardo buscava ganhar quilometragem e ultrapassava o aniversariante do dia, Stoffel Vandoorne, com facilidade. O jovem belga reclamava da falta de potência do motor Honda que empurra o carro da McLaren.

Aos poucos, Hamilton começava a abrir uma pequena vantagem diante de Vettel, que dava o máximo para ficar perto e anotava 1min28s234 como melhor volta no início da prova. Vandoorne, por sua vez, entrava nos boxes para fazer uma parada não programada. Problemas e mais problemas para a McLaren, que tinha Alonso com a vida mais tranquila, seguindo em 11º lugar. Outro carro com problemas e vinha bem lento era o Renault R.S.17 de Jolyon Palmer.

Hamilton respondeu na volta seguinte e voltou a abrir vantagem perante Vettel, mas reportava um pouco de superaquecimento dos pneus ultramacios. A diferença entre os dois primeiros e Bottas, terceiro colocado, e Räikkönen, quarto, já era enorme. A única birga por posição era no fim do pelotão e valia pelo 17º entre os novatos Antonio Giovinazzi e Lance Stroll. Por outro lado, Romain Grosjean encerrava uma corrida que tinha tudo para ser promissora e entrava nos boxes com problemas no motor Ferrari quando era o sétimo. Alonso, então, subia para a zona de pontuação.

O motor Ferrari do carro da Haas deixou Grosjean na mão (Foto: Reprodução)

Na volta 17, Hamilton entrou nos boxes para fazer seu pit-stop para a Mercedes trocar os ultramacios pelos macios. Vettel assumia a liderança da prova e tinha a missão de acelerar ao máximo para tentar voltar à frente de Lewis depois de fazer sua parada. O piloto da Mercedes, que vinha em quinto, atrás de Verstappen, reclamava que seu carro saía muito de frente com os pneus macios. Massa, que era o sexto, também fazia seu pit-stop, voltando à pista com pneus supermacios.

O grande problema de Hamilton foi ter ficado atrás de Verstappen. O tricampeão não conseguia ultrapassar o piloto da Red Bull, e isso fazia a vantagem de Vettel na liderança só aumentar. O alemão entrou nos boxes na volta 24, e a Ferrari calçou pneus macios. A estratégia da equipe italiana deu muito certo. Seb voltou à frente de Verstappen e também de Hamilton, para desespero de Toto Wolff. Era a grande virada no momento em que a corrida alcançava sua primeira metade. 

Vettel virou o jogo e assumiu a liderança após fazer seu pit-stop (Foto: Reprodução)

Com a parada de Bottas, que fez seu pit-stop na volta 26, Räikkönen assumia a liderança provisória. Até que, com a troca de pneus do carro do 'Homem de Gelo', Vettel retomava de vez o comando da corrida e partia com grandes chances de seguir rumo à vitória na Austrália. Hamilton estava em segundo depois que Verstappen também foi aos boxes. Lewis tinha de remar muito para tentar buscar a vitória. 

Com 30 voltas completadas, Ricciardo enfrentava novo problema em seu carro, parado na curva 3, e teve de abandonar a corrida. uma corrida que não teve maiores emoções e pouquíssimas brigas diretas na pista. Vettel, que dava uma volta no bicampeão Alonso, continuava na frente e fazia uma prova muito segura, enquanto Hamilton continuava a lutar para tentar se aproximar do alemão. Lewis, aliás, tinha de se preocupar com a aproximação de Bottas, terceiro. Massa seguia em sexto e em busca de pontos para a Williams.

A expectativa era saber se Vettel conseguiria fazer todo o restante da corrida sem ter de fazer outro pit-stop. O alemão continuava a aumentar a sua vantagem perante os carros da Mercedes e parecia caminhar firme rumo à vitória na Austrália. Lewis lutava com os pneus macios bem mais desgastados em relação ao seu companheiro de equipe. Räikkönen, discretíssimo, era apenas o quarto e sequer se colocava em condições de lutar pelo pódio contra Hamilton e Bottas, sendo pressionado por Verstappen. E Stroll passeava pela área de escape antes de abandonar sua primeira corrida na F1.

Restando três voltas para o fim, Alonso abandonava a prova. Vettel, pelo contrário, não tinha problemas e partia para uma vitória consagradora na Austrália. Hamilton teve de se contentar apenas com a segunda posição, enquanto Bottas completou o pódio na Austrália. Festa da Ferrari e de Vettel no circuito Albert Park.

F1, GP da Austrália, Melbourne, final: 

PADDOCK GP #70 FAZ PRÉVIA DE ABERTURA DAS TEMPORADAS DE F1 E MOTOGP E LEMBRA PACE

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube