Vettel diz que F1 “voltou ao normal” com ultrapassagens na China e compara: “É como no futebol, com jogos bons e ruins”

O GP da China registrou nada menos que 54 ultrapassagens durante a corrida, sendo que apenas dez delas foram feitas com o auxílio do DRS, a asa móvel. Na visão de Sebastian Vettel, os números são uma prova de que a prova em Xangai foi divertida, mas lembrou que nem sempre será assim, fazendo um comparativo com o futebol e a qualidade das suas partidas'

 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Duas semanas depois de um modorrento GP da Austrália, a F1 se deparou com uma dinâmica de corrida completamente diferente no último domingo (9). Em um circuito genuíno como o de Xangai, com longas retas e zonas de frenagens bem fortes, de características bem distintas em relação a Albert Park, em Melbourne, a F1 teve no GP da China a sua primeira corrida empolgante com as novas regras. E isso se refletiu diretamente na quantidade de ultrapassagens. Sebastian Vettel entende que tal contexto vai variar dependendo da pista onde se vai correr. E traçou um paralelo com o futebol e a qualidade das suas partidas.

 
Aos números, pois. O GP da Austrália teve um baixo número de ultrapassagens: apenas 14 ao todo, sendo que somente três foram feitas com a ajuda da asa móvel. A falta de ação em Melbourne levantou muitas discussões sobre a questão, mas dirigentes da categoria deixaram claro que era preciso esperar por algumas corridas antes de um debate mais aprofundado sobre o assunto.

Em Xangai, com uma gama muito maior em termos de estratégia, até por conta da pista úmida no começo, mas também considerando a natureza do traçado, os números foram muito mais relevantes: 54 ultrapassagens, sendo dez com o auxílio do DRS.

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 3
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);

Vettel protagonizou a grande ultrapassagem em Xangai ao superar Ricciardo em um duelo roda a roda (Foto: Reprodução)
A mesma Xangai, no ano passado, registrou o recorde histórico de ultrapassagens na F1. Ao todo, foram nada menos que 128 manobras, superando a marca anterior, que era de 112, ocorrida no GP do Brasil de 2012.
 
Vettel defendeu que a F1 está no caminho certo, oferecendo dificuldades aos pilotos nas manobras de ultrapassagem, se mostrando contrário ao artifício do DRS. 
 
“É difícil se aproximar. Como na última corrida, você sente o efeito, mas essa foi uma pista melhor para ultrapassar. Assim é que deveria ser. É preciso garantir que não seja fácil. Não deveria bastar apenas abrir a asa móvel e passar. Foi muito divertido”, comentou o alemão.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Por outro lado, Vettel lembrou que nem sempre a F1 vai entregar uma corrida movimentada como a do último domingo em Xangai, mas acredita que provas pouco empolgantes como a da Austrália vão ser exceção.

 
“É como o futebol, nem todos os jogos são bons. Vimos algumas manobras de ultrapassagem na Austrália, é verdade, mas foi o caso de Melbourne. Aqui tudo voltou ao normal, portanto não vejo nenhum problema”, finalizou.
 
PADDOCK GP #72 TRAZ ÁTILA ABREU E DISCUTE ETAPAS DA STOCK CAR, F1, INDY E MOTOGP

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube